rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Para Eryk Rocha, movimento do Cinema Novo será sempre atual

Por Leticia Constant

O cineasta brasileiro Eryk Rocha arrancou longos aplausos da plateia nesta segunda-feira (16) ao exibir seu filme-ensaio Cinema Novo na seção Cannes Classics.

Ele compete na mostra O Olho de Ouro que compila todos os documentários do festival. Antes da projeção, ao apresentar o filme ao público, ele se emocionou ao falar do Brasil e chegou a mencionar a ditadura, assumindo que o contexto atual o preocupa demais. “Houve uma interrupção democrática”, ele disse.

Sobre o documentário, Eryk quis mostrar a importância desse momento do cinema brasileiro, focando principalmente os anos 60 e utilizando a estética do Cinema Novo, com imagens rápidas, intercaladas, fortemente impactantes. Em paralelo, cenas inéditas revelam a intimidade e a amizade existente entre o grupo de cineastas formado por seu pai, Glauber Rocha, Nelson Pereira dos Santos, Joaquim Pedro de Andrade, Leon Hirszman, Paulo Cesar Saraceni, Carlos Diegues, Ruy Guerra, Luiz Carlos Barreto, Roberto Santos, Rogério Sganzerla.

O documentário Cinema Novo, que vai ser lançado no Brasil em novembro, levou 9 meses para ficar pronto, “o tempo de uma gestação”, brinca Eryk, um trabalho de titã em que foram selecionadas milhares de cenas de arquivos pessoais e de instituições audiovisuais da França, Itália e Brasil.

 

 

“Precisamos dizer ‘basta’ a esse retrocesso que está acontecendo no Brasil”, diz o autor Henrique Schneider

“Há uma seletividade política na justiça brasileira”, diz jurista Carol Proner

Anistia Internacional denuncia Brasil a ONU por retrocesso nos Direitos Humanos

"Estamos posicionando o design de mobiliário brasileiro no circuito internacional"

Temer deve ficar até 2018 porque “ninguém quer esse abacaxi”, diz economista

Escritora baiana radicada na Alemanha: “Sou discriminada em meu próprio país”

Entre Brasil e França, "Ocupação Agora" discute crise brasileira na dança contemporânea

Reforma trabalhista de Macron é correta, mas impacto é incerto, diz economista Cristina Terra

“Privatizações aumentam confiança na economia brasileira”, diz especialista

Lei Di Dai e a maconha: “Mesmo que as pessoas fumem, elas ainda não assumem”