rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Manassés de Sousa, músico: "Minha relação com a França é muito forte"

Por Leticia Constant

Do Ceará para o mundo. Assim pode-se definir o percurso de um dos maiores violonistas brasileiros, Manassés de Souza, que está atualmente em Paris para uma série de shows. Ele se apresenta nesta quarta-feira (29) na Livraria Les Nouveautés e no Bar Planète Mars, musicando duas leituras de textos de Socorro Accioli; na sexta-feira (31), ele mostra suas composições em um concerto no Espaço Krajcberg.

 

O amor de Manassés de Souza pela música começou aos 4 anos em Maranguape, no interior do Ceará, onde passou a infância. Ao invés de jogar bola, ele preferia tentar tocar escondido o violão do irmão mais velho, que tinha muito ciúme do instrumento. "Até que um dia ele chegou em casa mais cedo e me pegou com o violão. Ficou furioso, me deu uns tapas, chamou meu pai, que também ficou bravo, então, eu disse que já estava tocando. Eu tinha só quatro anos, e meu pai respondeu "Então toca!", lembra Manassés, contando que interpretou a música de roda "Teresinha de Jesus". A partir daquele dia, seu pai o autorizou a tocar o violão do irmão e ele continuou os estudos.

Sua primeira apresentação pública não demorou. O pai o levou a uma praça em Fortaleza e pediu para ele tocar; as pessoas se amontoaram para ver o menininho talentoso e o pai passou o chapéu, conseguindo bastante dinheiro. No mesmo dia, ele levou Manassés a uma loja de instrumentos e comprou para ele o seu primeiro violão.

Ponte entre Brasil e França

Manassés de Sousa foi para São Paulo em 1975, onde vivia em condições modestas com o cantor Belchior, seu amigo. Um dia, um brasileiro que morava na França apareceu na casa em busca de músicos para levar para Paris. Esta foi a oportunidade para o cearense atravessar o Atlântico e viver sua primeira aventura internacional.

Na capital francesa, ele tocou com nomes conhecidos na época como a dupla de travestis brasileiros Les Étoiles e a cantora Nazaré Pereira. Logo seu talento o levou a acompanhar artistas franceses populares como Georges Moustaki, Claude Nougaro e Bernard Lavilliers, com quem compôs várias músicas. Outros nomes vieram se somar ao seu leque de colaborações, entre eles, Naná Vasconcelos, Luiz Gonzaga, Chico Buarque, Elba Ramalho e até o consagrado violonista espanhol Paco de Lucia, um dos reis do flamengo.

Na vida pessoal, Manassés se casou com uma francesa e teve um filho, que toca flauta e mora em Paris. "Minha relação com a França é uma coisa muito forte. Além da ligação familiar, tenho uma ligação com a própria cultura francesa, que gosto muito, e agora tenho netos, então, a tendência é isso ficar mais forte e eu vir mais para mostrar a minha música, o que é muito importante também", ele diz.

Hoje,o artista vive entre Brasília e Ceará e espera vir à França com mais frequência "para ver os netinhos crescerem".

Mana Mano, o primeiro disco solo e "brilhante"

Manassés veio mostrar em Paris seu último álbum, "Mana Mano", em que prima o violão de 12 cordas: "Posso dizer que este é um dos trabalhos que fiquei mais feliz de ter feito porque fiz sozinho, gravei todos os violões. Fiz esse disco com muita consciência e muita tranquilidade, e gravei em Brasília em um dos melhores estúdios do Brasil. A sonoridade do meu instrumento realmente 'chegou' nesse disco, fiquei muito satisfeito, a sonoridade parece realmente brilhante", ressalta o músico.

"Candidatos antissistema representam maioria do povo francês, que é independente e rebelde", diz analista

Franceses não sabem se querem eleger um 'pai da nação' ou criar um novo sistema político

“Financiamento apenas público não resolve problema do Caixa 2”, diz pesquisadora

"Nenhuma reforma trabalhista cria emprego": Jorge Boucinhas Filho, advogado

Ciro Gomes: “Nosso problema central não é a corrupção e sim o colapso econômico do Brasil”

“É preciso reconstruir essa esquerda”, diz Silvia Capanema sobre eleição presidencial na França

"Primavera literária brasileira" promove escritores contemporâneos na Europa

Pedro D-Lita, produtor: “Europeus ficam surpresos com a nova música brasileira”

Muito antes de Woody Allen, escritor brasileiro voltou no tempo em Paris

“Casas do Brasil na Europa são território simbólico e afetivo", diz antropóloga Ceres Brum

Bernardo Carvalho, escritor: "A literatura que importa é a literatura de dissenso, radical"

Chef carioca conquista parisienses misturando gastronomia francesa com sotaque brasileiro

João Moreira Salles: "A ideia da felicidade e do fim dela, sempre me interessou"

Escritora faz sucesso com livro desenvolvido em oficina de García Márquez

Domício Proença Filho, sobre Capitu: “É muito difícil ser mulher”