rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

MenEngage: “É impossível discutir emancipação da mulher na África sem falar da poligamia masculina”

Por Silvano Mendes

O mundo foi sacudido nos últimos meses por uma série de manifestações sobre a igualdade de gênero, um fenômeno que ganhou força com o movimento #MeToo e ecoou em vários países. Mas como esse assunto reflete no continente africano? Esse é um dos inúmeros temas debatidos na 2ª edição do MenEngage África, simpósio que acontece em Moçambique entre os dias 23 e 27 de abril, e que tem como objetivo principal falar dos modelos de masculinidade.

Além do assédio sexual, a distribuição das tarefas do lar, violência doméstica e homofobia são algumas das questões discutidas durante esses cinco dias em Maputo por pesquisadores, associações e outros representantes da sociedade civil. “Trata-se de um desafio global, mas no continente africano os estereótipos de masculinidade têm afetado muito fortemente a vida das pessoas, não apenas no dia-a-dia dos casais e das famílias, mas também no nível dos Estados africanos”, comenta Júlio Langa, coordenador nacional da rede HOPEM - Homens pela Mudança, um dos organizadores do evento. Segundo ele, até mesmo alguns responsáveis de instituições públicas “ainda têm uma concepção muito fechada do que deve ser um homem” na sociedade contemporânea.

Langa chama a atenção para o papel do Estado pois além dos aspectos que podem ser vistos como clichês quase universais, como saber quem é responsável pela limpeza da casa ou a educação dos filhos, os estereótipos de masculinidade exacerbada presentes na África podem ter um impacto negativo na saúde pública. Seja pela banalização da violência doméstica, pela transformação do sequestro e o estupro de mulheres e meninas em arma de guerra, ou ainda a resistência ao uso do preservativo masculino, que contribui para a propagação de doenças sexualmente transmissíveis na região.

Luta feminista liderada por homens

Além disso, vários países africanos autorizam, ou pelo menos toleram, a poligamia masculina. “Esse tema faz parte dos debates de alguns painéis. Não é possível a gente discutir igualdade de direitos, emancipação das mulheres, e transformação de masculinidade sem passarmos pela questão da poligamia”, conta Langa, ressaltando que o tema será tratado de forma transversal nos painéis do simpósio, sediado pela Universidade Eduardo Mondlane.

Ao contrário da maioria das manifestações pela igualdade de gêneros, que geralmente são organizadas ou encabeçadas por movimentos feministas, o simpósio MenEngage Africa tem o papel do homem na sociedade como elemento central. Mas para Langa, esse aspecto não foi um obstáculo ou fonte de polêmica. “Temos apoio das organizações feministas e alguns dos painéis que estão no programa do simpósio vão abordar a questão do feminismo”, comenta. “Apoiar a agenda feminista é uma de nossas prioridades”, finaliza.

Ouça a entrevista completa clicando na foto acima.

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR

"Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano

Após turnê internacional, cantora Flávia Coelho volta ao estúdio em Paris para gravar 4° álbum

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político