rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Meio Ambiente
rss itunes

Novo decreto francês quer diminuir poluição luminosa

Por Stephan Rozenbaum

Já está em vigor na França o decreto que determina que todos os painéis luminosos do país fiquem apagados entre uma e seis da manhã. A medida quer lutar contra muitas lojas e comércios que costumam deixar as luzes acesas a noite toda, mesmo com as operações encerradas.

Olhando a Terra do espaço, é quase impossível observar lugares sem iluminação durante a noite, e segundo especialistas isso tem prejudicado a vida de muitos animais noturnos. O presidente da Fundação para a Pesquisa sobre a Biodiversidade, Jean-François Silvain, acredita que esses animais estão sofrendo por causa da poluição luminosa.

Para o especialista, o excesso de luz artificial perturba o desenvolvimento de muitas espécies e até mesmo da flora: "Os animais noturnos, como insetos ou até mamíferos como os morcegos, reagem a essa inundação de luzes artificiais durante seu período de atividade. Por exemplo, fizemos recentemente um estudo na Fundação onde nos interessamos sobre a perturbação dos insetos polinizadores noturnos, que polinizam as plantas durante a noite. Vimos uma redução drástica na quantidade desses insetos, o que fez com que essas plantas produzissem menos grãos e frutas".

A nova medida para evitar as luzes dos painéis luminosos parece ser somente a ponta do Iceberg. A grande responsável por toda essa poluição continua sendo a iluminação pública. Nos últimos anos, houve um aumento de 94% na quantidade de postes e luminárias nas cidades.

Sem controle

Para a presidente da Associação Nacional para a Proteção do céu e do Ambiente Noturno, Anne-Marie Ducroux, mesmo se hoje as autoridades reconhecem os efeitos da poluição noturna, ainda não se vê mudanças concretas. "Nossa associação conseguiu fazer com que quatro leis reconhecessem a existência da poluição luminosa, sendo duas leis de âmbito geral, uma lei sobre a transição energética e uma lei sobre a biodiversidade. Conseguimos com isso um quadro institucional interessante, onde podemos progredir, mas, na verdade, o que falta é um verdadeiro plano de ação global, que leve em conta a prevenção, a limitação e a eliminação das interferências luminosas", afirmou a especialista. "O grande problema continua sendo a falta de controle da regulamentação pelas autoridades. As leis não são aplicadas, não são controladas e não são punidas. Para nós é uma pena, pois o governo poderia ter um papel pioneiro nesse assunto mas não assume seu papel de regulador público", concluiu.

Em outubro do ano passado, um estudo alemão mostrou a importância de uma nova legislação sobre o assunto. Em 27 anos a quantidade de insetos voadores diminuiu em 75% no interior da Alemanha, o que também prejudica os pássaros, principais predadores desses insetos.

As explicações iniciais para esse fenômeno foram o uso maciço de inseticidas e o aquecimento global. Mas para os especialistas, esses fatores não bastam para explicar a gigantesca queda no número de moscas, mosquitos, borboletas e outros insetos voadores.

País inteiro

Anne-Marie Ducroux lembra que até mesmo em lugares mais afastados, como no campo, os efeitos da poluição luminosa também estão presentes: "Nós editamos a cartografia da qualidade da noite na França seguindo métodos científicos e vimos que utilizando uma escala gradual da luz no solo, percebemos que quase toda a França tem uma tonalidade amarelada, o que significa que a qualidade da noite é, em todo o território, média ou medíocre. Isso mostra que é preciso agir em todo o país. Temos 36 mil munícipios e é preciso entender que a iluminação é uma interferência que acontece todas as noites, em todos os lugares para 66 milhões de habitantes e em todo o meio ambiente. Na verdade, há muito tempo teríamos que ter levado esse assunto a sério e agido muito mais do que agimos nos últimos anos".

A crescente preocupação com a poluição luminosa teve alguns marcos que incluem a criação da Associação Internacional do Céu Escuro (IDA), em 1988, e a criação do Atlas Mundial do Brilho Noturno Artificial do Céu, em 2001, por pesquisadores da Universidade de Pádua, na Itália, e pela Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA). Em 2002 houve a conferencia internacional sobre as Consequências Ecológicas da Iluminação Artificial Noturna promovida pelo Urban Wildlands Group e a Universidade de Los Angeles.

Medidas

No mesmo ano, muitos parques nacionais nos Estados Unidos começaram a desenvolver planos para contenção da poluição luminosa, de modo a manter o céu o mais natural possível. Já a República Tcheca criou a primeira lei federal antipoluição luminosa. A lei entrou em vigor em 1o de junho de 2003 e considera como poluição luminosa “todas as formas de iluminação artificial irradiada para além das áreas destinadas, principalmente se direcionadas acima da linha do horizonte”.

O presidente da Fundação para a Pesquisa sobre a Biodiversidade, Jean-François Silvain acredita que ainda há espaço para melhorar a situação: "A biodiversidade entrou em rota de colisão, o que é dramático. As coisas vão mal, mas ainda há tempo para tentar mudar essa rota. O que vemos é que ainda há cidadãos, associações e outros atores, além de parte do mundo empresarial que já estão procurando diminuir os impactos sobre a biodiversidade. O novo decreto sobre a poluição luminosa ajuda a conscientizar mais pessoas. É uma tendência, pelo menos nos países ocidentais, de pensar nas consequências dos comportamentos humanos sobre a biodiversidade.

Apesar de, em todo o mundo, haver mais de 700 leis impondo normas sobre a poluição luminosa, existem apenas três delas no Brasil: uma portaria do Ibama, de 1995, referente à proteção de tartarugas marinhas, e duas leis municipais que normatizam a proteção a observatórios contra a poluição luminosa em Campinas, no estado de São Paulo e em Caeté, Minas Gerais.

Fórum da Paz: somente cooperação global poderá conter a ameaça climática

Acabar com a demarcação de terras indígenas é um crime, uma catástrofe, diz ambientalista

"Bolsonaro teme que combate ao aquecimento global tire soberania brasileira da Amazônia", diz especialista

Ativistas veganos por trás de ataques aos açougues na França afirmam que ações violentas são necessárias

Portugal dá passos concretos em direção ao fim do uso de combustível fóssil

Ambientalistas analisam programas dos presidenciáveis: de desastrosos a simplistas, poucos passam pelo crivo

Franceses são obrigados a cortar milhares de árvores para instalação de fibra ótica

Estudantes franceses propõem canudos de amido de milho como alternativa ao plástico

Cidadãos franceses contribuem como observadores para pesquisas sobre preservação das espécies

Geladeira solidária, mercado de produtos “feios”: novas armas contra o desperdício

Animais silvestres são vendidos facilmente pela internet a clientes europeus