rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

China Taiwan

Publicado em • Modificado em

Companhias aéreas acatam Pequim e citam Taiwan como parte da China

media
Aviões da Cathay, de Hong Kong. Reuters/路透社

Após três meses de pressão, companhias aéreas internacionais começam a ceder à pressão da China para que citem Taiwan como território chinês nos sites de reserva.


A autoridade chinesa de aviação civil pediu em abril que 36 companhias estrangeiras deixassem de apresentar Taipé, apenas como capital de Taiwan, como se a ilha fosse um Estado independente. A China comunista considera Taiwan como parte integrante de seu território, mesmo que a ilha seja dirigida por um regime rival desde 1949.

Companhias americanas como American Airlines, United, Delta e Hawaiian Airlines anunciaram que vão adotar a medida. A Cathay, de Hong Kong, já o fez, acrescentando os destinos Taipé e Kaohsiung com a menção “Taiwan, China”.

Outras grandes empresas mundiais como Air France, KLM, British Airways, Lufthansa, Finnair e SAS também resolveram acatar o pedido de Pequim.

Orwell

Em maio, a Casa Branca havia qualificado as exigências de Pequim como “absurdo orwelliano”, referindo-se à obra literária de George Orwell.

Taiwan condenou “a insolência” de Pequim, que usa seu peso político e econômico para pressionar empresas estrangeiras. “A existência de Taiwan aos olhos da comunidade internacional é um fato objetivo, que não vai desaparecer porque Pequim decidiu assim”, declarou o ministério taiwanês de Relações Estrangeiras.