rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Arábia Saudita Assassinato Crise Diplomacia

Publicado em • Modificado em

Suposto complô demonstra apoio do Irã ao terrorismo, diz Londres

media
o príncipe saudita Saud al Faisal declarou que seu país fará o Irã pagar por qualquer ação contra a Arábia Saudita. Reuters

A divulgação de que o Irã teria organizado um plano para matar o embaixador saudita em Washington continua provocando reações negativas nos países ocidentais. Enquanto um príncipe saudita prometeu que "qualquer ação do Irã receberá uma resposta", o Reino Unido afirmou que o suposto complô é sinal de uma “escalada importante do apoio do Irã ao terrorismo”.


A declaração foi feita pelo ministro britânico das Relações Exteriores, William Hague, em Londres. “Há sinais segundo os quais este complô lamentável foi organizado por elementos do regime iraniano e implicaria inclusive altos responsáveis das Briagadas Al Qods [ligadas aos Guardas da Revolução iraniana]”, disse Hague. “Isso seria uma escalada importante no apoio do Irã ao terrorismo além das suas fronteiras.”

O ministro afirmou que Londres está em “estreito contato” com as autoridades americanas e ambos trabalham juntos, ao lado da União Européia e da Arábia Saudita, para dar uma “resposta internacional comum” ao Irã.

Washington anunciou na terça-feira a prisão de dois iranianos – um deles naturalizado americano -, que estariam prestes a executar o embaixador saudita, em um plano “concebido, organizado e dirigido” pelo Irã, de acordo com o procurador-geral dos Estados Unidos, Eric Holder. O complô foi descoberto graças a um agente americano no México, que se fez passar por narcotraficante interessado em efetuar o ataque e que entrou contato com os iranianos encarregados da operação. O assassinato aconteceria em um restaurante.

O governo de Teerã rechaçou as acusações e sustenta que tudo não passa de uma manipulação promovida pelos Estados Unidos contra os países muçulmanos. Nesta manhã, o governo iraniano pediu à Arábia Saudita para “não cair na armadilha” das acusações americanas. “Este cenário patético tem tantas incoerências que até o meio político americano e seus aliados têm dúvidas”, disse Ali Ahani, vice-ministro das Relações Exteriores para a Europa do país. “Nós esperamos que a Arábia Saudita compreenda os objetivos deste complô.”

Pouco depois, o príncipe saudita Saud al Faisal declarou, em Viena, que seu país fará o Irã pagar por qualquer ação contra a Arábia Saudita. “Nós os faremos arcar com as responsabilidades de qualquer ação que eles tomarem contra nós. Qualquer ação feita contra nós receberá uma resposta à altura da Arábia Saudita”, prometeu o príncipe.

Ontem, o vice-ministro das Relações Exteriores para os Países Africanos encontrou-se com o embaixador saudita em Teerã para negar as suspeitas. Na ocasião, o iraniano afirmou que a condenação do Irã pela Arábia Saudita era “precipitada e sem fundamento”. O embaixador iraniano respondeu que seu Ryad “não acusa nenhum país” e que “a posição oficial dos sauditas será dada após o final das investigações.