rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

ONU Refugiados Hillary Clinton Genebra

Publicado em • Modificado em

ONU realiza conferência sobre refugiados e apátridas

media
Hillary Clinton, secretária de Estado americana, discursa na ONU, nesta quarta-feira. REUTERS/J. Scott Applewhite/Pool

Mais de 145 países enviaram representantes para Genebra, na Suíça, onde tem início nesta quarta-feira a maior conferência internacional já organizada pelo Alto Comissariado da ONU para refugiados. O evento coincide com o aniversário de 60 anos da convenção internacional sobre refugiados e dos 50 anos da convenção sobre as pessoas apátriadas.  


Em comunicado, o Alto Comissariado afirma que o objetivo é conquistar um maior apoio dos governos para os cidadãos forçados a deixar seus locais de origem e para os que não tem pátria. É o caso de muitos países onde as mulheres que têm filhos com estrangeiros não podem transmitir a nacionalidade à criança, que se torna então apátrida.
Segundo o diretor do Alto Comissariado da ONU, Volcker Turk, há 12 milhões de pessoas nesta situação, o que para ele é “m absurdo no mundo atual”

Outro tema em destaque na Conferência é a situação das 25,7 milhões de pessoas deslocadas em seus próprios países. Mais de 15 milhões delas são assistidas pela instituição da ONU.

Estados Unidos

Um dos discursos mais aguardados de hoje será o da secretária de Estado norte-americana. Horas antes de Hillary Clinton falar na tribuna da ONU, o presidente Barack Obama pediu a todas as instituições do governo defender os direitos dos homossexuais, bissexuais e transsexuais.

“Estou muito preocupado com a violência visando lésbicas, homossexuais, bissexuais e os transsexuais no mundo”, afirmou Obama em uma mensagem, expressando sua determinação para que sejam adotadas leis criminalizando os autores de crimes contra cidadãos por causa de sua suposta orientação sexual.

Em plena campanha para a reeleição, Obama pediu para o departamento de Estado e serviços de imigração nos Estados Unidos tratem com dignidade os refugiados e os pedidos de asilo de homossexuais perseguidos em seus países.