rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Meio Ambiente Mudanças Climáticas ONU

Publicado em • Modificado em

Conferência do clima de Durban entra na fase final

media
Ativistas protestam em frente à sede da Conferência do Clima da Onu, em Durban. REUTERS/Rogan Ward

Os representantes de 190 países reunidos em Durban, na África do Sul, começam as últimas negociações para implementar um Fundo Verde para o Clima. O dispositivo terá como objetivo ajudar os países pobres a lutar contra os efeitos do aquecimento do planeta. As discussões sobre a segunda fase do Protocolo de Kyoto continuam emperradas.


Flávia Moraes, em colaboração especial de Durban para a RFI

Começa nesta quinta-feira, 8 de dezembro, a última fase das negociações na Conferência de Mudanças do Clima das Nações Unidas em Durban, na África do Sul. Os mais de 190 países representados devem decidir se haverá uma segunda fase do Protocolo de Kyoto após 2012. Alguns ainda se mostram inflexíveis a participar do acordo de redução das emissões de gases que provocam o efeito estufa. Os Estados Unidos, inclusive, parecem ter voltado atrás em suas promessas de redução de emissões feitas em 2009, durante a conferência de Copenhague. Agora, Washington afirma que só vai estabelecer compromissos na próxima década.

O Canadá, que também havia se mostrado contrário a um novo acordo, não desmentiu as informações veiculadas na imprensa canadense, na qual o ministro do Meio Ambiente, Peter Kent, teria dito que o Protocolo de Kyoto é coisa do passado. Por outro lado, a China mostrou-se flexível à possibilidade de participar da segunda fase.

Outro assunto importante dessa conferência é o Fundo Verde para o Clima (GCF na sigla em inglês), mecanismo para arrecadar verbas e financiar projetos de mitigação e adaptação nos países em desenvolvimento. Nesta quarta-feira os países da União Europeia afirmaram contribuir para o fundo. O embaixador Luiz Alberto Machado, principal negociador do Brasil, declarou em coletiva de imprensa que está otimista e irá trabalhar duro para que a esperança sobre os acordos se torne realidade.