rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Fukushima Governo Japão Vítimas

Publicado em • Modificado em

Operadora de Fukushima pede novo empréstimo para indenizar vítimas

media
Le siège de l'entreprise de Tepco à Tokyo. REUTERS/Kim Kyung-Hoon

O operador da central nuclear de Fukushima, Tokyo Electric Power (Tepco), pediu nesta terça-feira ao governo japonês cerca de 700 bilhões de yens, cerca de 17 bilhões de reais, para pagar uma parte da indenização das vítimas da catástrofe que atingiu o país em março deste ano. O acidente liberou uma grande quantidade de radiação no meio-ambiente e forçou a evacuação de milhares de pessoas da região.


Segundo um comunicado da empresa, houve um aumento do número de vítimas que devem ser ressarcidas pelos danos provocados pela tragédia. A estimativa é de que, no total, a Tepco deverá gastar até 2013 42,5 bilhões de euros, cerca de 100 bilhões de reais, para indenizar todas as vítimas. A empresa deve apresentar em breve ao governo um plano de reestruturação de redução de gastos globais, que incluem cortes de aproximadamente 26 bilhões de euros, cerca de 63 bilhões de reais, em dez anos. Também está prevista a venda de quase 7 bilhões de euros de ativos, cerca de 17 bilhões de reais.

Em outubro, a central já havia solicitado 10 bilhões de euros ao fundo para desastres nucleares, um mecanismo criado pelo Estado para administrar os recursos usados para reconstrução e indenização das vítimas. O Tsunami do dia 11 de março provocou a maior catástrofe nuclear dos últimos 25 anos e danificou as instalações da central, situada no leste do país.

A Tepco também terá que custear o desmantelamento da central e compensar a paralisação quase total dos reatores. A operação deve se estender por quatro décadas. Normalmente, a empresa teria que reembolsar o governo, mas, de acordo com informações da imprensa local, as autoridades do Japão planejam estatizar dois terços da empresa.  O ministro japonês do Comércio, Yukio Edano, vai pedir à operadora que aprove a entrada de recursos públicos e consolide a nacionalização, que seria temporária, segundo o diário econômico Nikkei. De acordo com a agência de notícias Reuters, o Estado poderá injetar cerca de 10 bilhões de euros na Tepco a partir de 2012.