rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Prisão Protestos Pussy Riot Vladimir Putin

Publicado em • Modificado em

Integrante do Pussy Riot em greve de fome é hospitalizada

media
Nadejda Tolokonnikova, en avril 2013, lors d'une comparution devant la cour de Zubova Polyana en Mordovie. AFP/Maksim Blinov

Nadejda Tolokonnikova, uma das integrantes do grupo punk russo Pussy Riot que está em greve de fome desde o início da semana, foi hospitalizada nesta sexta-feira, segundo seu marido.


A jovem foi condenada a dois anos de prisão em 2012 depois de participar de uma 'performance' para criticar o governo Putin na catedral de Santo Cristo Salvador, no centro de Moscou.

Ela outra integrante do grupo, Maria Aliokhina, foram acusadas de vandalismo e incitação "ao ódio religioso."

Nesta sexta-feira, ela foi transferida para o hospital da colônia penal na Mordóvia, a 300 quilômetros de Moscou.

De acordo com seu marido, Piotr Verzilov, seu estado de saúde é delicado. Na terça-feira, ela já havia sido levada para uma célula individual.

Antes de iniciar a greve de fome, Nadedja escreveu uma carta denunciando as condições de escravidão na prisão, onde as detentas, segundo ela, são obrigadas a trabalhar mais de 17 horas por dia e dorme apenas quatro horas por noite.