rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Diplomacia Líbia Conflito armado Milícias

Publicado em • Modificado em

Conflitos em aeroporto provocam fechamento de embaixadas na Líbia

media
Carros transportam pessoal de representações diplomáticas ocidentais, que deixam Trípoli por causa dos confrontos nas redondezas do aeroporto da capital líbia. REUTERS/Zoubeir Souissi

Os violentos confrontos nas redondezas do aeroporto de Trípoli provocaram o fechamento de representações diplomáticas ocidentais na capital líbia. Vários países também pediram que seus cidadãos deixem o país, temendo a escalada de violência.


Os conflitos retomaram nessa quinta-feira (31), após dois dias de calma. Os confrontos entre milícias rivais mataram mais de 100 pessoas e deixaram outras 500 ferida desde 13 de julho e já estão sendo considerados os mais violentos dos últimos três anos no país. O aeroporto de Trípoli está fechado e vários aviões foram danificados.

Diante da situação, a Espanha, Holanda e Alemanha evacuaram temporariamente o pessoal de suas embaixadas na capital líbia. União Europeia, Grécia, Suíça e República Checa também fecharam suas representações diplomáticas na cidade.

As embaixadas da Itália e do Reino Unido continuam funcionando. “Ficar na Líbia significa tentar ter um papel nas questões geopolíticas mais importantes dos próximos anos : paz, segurança e imigração”, declarou o chefe do governo italiano, Matteo Renzi, para justificar o funcionamento da representação diplomática em Trípoli apesar dos conflitos. 

As Filipinas anunciaram que vão enviar barcos para retirar seus 13 mil cidadãos que vivem na Líbia. A medida foi tomada após o sequestro e estupro de uma enfermeira por um grupo armado na semana passada, além da descoberta, há dez dias, de um operário filipino decapitado.

Os combates praticamente paralisaram a capital líbia. Bancos e repartições públicas estão fechados há dias e já há penúria de combustível, além de cortes no fornecimento de água e de eletricidade. O novo parlamento líbio, formado após as eleições de 25 de junho, pretende organizar uma reunião de urgência no próximo sábado para discutir a situação em Trípoli.