rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Ministro francês acusado de esbanjar dinheiro renuncia

Aviação Voo MH370 Malaysia Airlines Acidente

Publicado em • Modificado em

França lança novas buscas de restos do MH370 na Ilha da Reunião

media
Equipes francesas retomam buscas de destroços de MH370 na Ilha da Reunião. REUTERS/Zinfos974/Prisca Bigot

Equipes de busca francesas serão enviadas nesta sexta-feira (7) para a costa da Ilha da Reunião, no Oceano Índico, para procurar destroços do MH370. A decisão foi tomada após o anúncio de que o pedaço de uma asa de avião encontrado na região seria uma parte da aeronave da Malaysia Airlines que desapareceu em 2014 com 239 pessoas a bordo, quando fazia a rota entre Kuala Lumpur e Pequim.


Um comunicado divulgado na noite desta quinta-feira (6) pelos ministros franceses da Defesa, dos Transportes e dos territórios Ultramarinos confirmou que um avião vai sobrevoar a costa da Ilha da Reunião a partir desta sexta-feira. “Patrulhas a pé, missões com helicópteros e uma brigada náutica” também farão parte da operação, informou o texto conjunto.

O estopim da retomada das buscas foi a descoberta, na semana passada, do pedaço de uma asa de avião na Ilha, que faz parte do território francês. A peça foi analisada nesta quarta-feira (5) por peritos na região de Toulouse, no sudoeste da França, que confirmaram, segundo o primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, que o objeto pertence ao MH370.

No entanto, as autoridades francesas, principais responsáveis pela investigação, preferiram manter a cautela. "Podemos afirmar que existem fortes presunções para dizer que o pedaço de asa encontrado pertence ao Boieng do voo MH370 da companhia Malaysia Airlines”, disse o procurador-adjunto francês Serge Mackowiak.

Famílias das vítimas indignadas

Das 239 pessoas a bordo do MH370, 153 eram chinesas. Na manhã desta quinta-feira, logo após os anúncios das autoridades malaias e francesas, vários parentes das vítimas protestaram diante do escritório da companhia Malaysia Airlines em Pequim. Os familiares reclamam do descaso das autoridades de Kuala Lumpur e da empresa, que não entraram em contato com os parentes. Para eles, é inadmissível que a Malásia afirme com certeza que o destroço encontrado pertence ao avião desaparecido, enquanto as autoridades francesas falam de "forte probabilidade".

O ministro dos Transportes da Malásia declarou, um pouco mais tarde, que peritos de seu país foram enviados a Reunião e encontraram outros destroços de um avião, entre eles pedaços de uma poltrona e janelas de aeronaves. As autoridades francesas, que devem verificar a autenticidade das peças, declararam que não têm conhecimento, por enquanto, de nenhum novo destroço.

(Com informações da AFP)