rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Refém Grupo Estado Islâmico Jihadista Violência Tomislav Salopek

Publicado em • Modificado em

Grupo EI afirma ter decapitado croata sequestrado no Egito

media
O croata Tomislav Salopek, de 31 anos, refém supostamente executado pelo Estado Islâmico. WELAYAT SAYNA / AFP

O grupo Estado Islâmico anunciou nesta quarta-feira (12) que decapitou o croata Tomislav Salopek, de 31 anos. Há três semanas, o homem havia sido sequestrado no Egito, onde trabalhava para uma empresa francesa. Os jihadistas afirmaram ter publicado uma suposta foto do corpo da vítima em várias contas extremistas no Twitter.


Tomislav Salopek foi sequestrado em 22 de julho por homens armados em uma estrada ao sudoeste do Cairo, no Egito. O braço egípcio do grupo Estado Islâmico havia ameaçado na última sexta-feira (7) matar o refém em 48 horas, caso o governo do Egito não libertasse as "mulheres muçulmanas" detidas no país.

A foto publicada no Twitter, que não teve a autenticidade comprovada, mostra o corpo de um jovem decapitado ao lado de uma bandeira dos jihadistas e de um punhal. Se a morte for confirmada, Salopek será o primeiro estrangeiro sequestrado e assassinado pelos jihadistas no Egito.

Salopek era empregado da empresa francesa Ardiseis, filial da Companhia Geral de Geofísica (CGG), especializada em exploração de subsolos. Ele foi sequestrado em seu último dia de trabalho na sociedade e voltaria para a Croácia no dia seguinte. 

O croata era pai de duas crianças. "A única razão pela qual estava trabalhando no Egito era batalhar para dar uma vida melhor a seus filhos", declarou o pai da vítima.

Atos de vingança

Os radicais da Província do Sinai, o braço egípcio do grupo Estado Islâmico, intensificaram os atentados contra os soldados e os policiais egípcios nos últimos dois anos. De acordo com os jihadistas, os atos são uma vingança em nome das vítimas da repressão do governo aos partidários do presidente islamita Mohamed Mursi, destituído pelo exército em 2013.

(Com informações da AFP)