rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Candidata de oposição à Pequim pode se tornar a primeira mulher a presidir Taiwan

Por Luiza Duarte

Milhões de taiwaneses vão às urnas neste sábado (16) para escolher seu novo presidente e renovar as 113 cadeiras do parlamento. As relações da ilha com a China são a questão central do pleito. A candidata da oposição, Tsai Ing-Wen, lidera as pesquisas e caminha para se tornar a primeira mulher presidente em um país de língua chinesa. Após oito anos de reaproximação, Taiwan pode eleger um governo menos favorável à Pequim e comprometer a estabilidade regional.

A dirigente do Partido Democrático Progressista (PDP), Tsai Ing-Wen, de 59 anos, lidera as pesquisas. De acordo com as últimas sondagens, a candidata pró-independentista conta com mais de 40% das intenções de voto. O número é superior ao dobro do que registra o segundo colocado, o candidato da situação, vinculado ao partido Kuomintang (KMT) e prefeito de Taipei, Eric Chu, de 54 anos. Já o conservador James Soong, de 72 anos, que já integrou o KMT e hoje preside um movimento pró-Pequim, o Partido Povo Primeiro, soma cerca de 10% das intenções de votos.

A ilha de 23 milhões de habitantes ainda tem cerca de 20% de eleitores indecisos. Mesmo assim, a alta popularidade da candidata da oposição e o apoio dos jovens, que se identificam cada vez menos com a China, garante chance de vitória para Tsai.

A advogada que estudou no Reino Unido ocupou cargos de destaque desde jovem, como chefe de Comércio de Taiwan e ministra do Conselho de Assuntos com a China, e se candidatou pela primeira vez à presidência em 2012. Já no pleito para o legislativo, o PDP e partidos menores de oposição também aparecem bem cotados.

Aproximação

O atual presidente taiwanês, Ma Ying-jeou, do partido nacionalista KMT, foi eleito para o cargo em 2008 e em 2012, prometendo prosperidade graças a uma reaproximação com o gigante asiático. Em novembro, os líderes da China e Taiwan se encontram pela primeira vez desde o final da guerra civil chinesa em 1949. Esse aperto de mãos histórico em Cingapura, depois de mais de 60 anos, simboliza o esforço do atual governo taiwanês em reaquecer as relações com Pequim.

Taiwan é independente desde 1950, mas que a China considera como uma província rebelde que deve ser reunificada com o continente, se necessário pela força. Apenas 22 países reconhecem Taiwan como nação soberana.

A ilha realiza eleições diretas para presidente há apenas 20 anos, mas é vista como um modelo democrático sólido, que é referência na região. Ela é a única das sociedades de língua chinesa onde há voto direto e universal. A corrida eleitoral é observada atentamente não só pela China, mas também por Hong Kong e Macau.

Economia e identidade

Os novos acordos bilaterais criaram os primeiros voos diretos e linhas marítimas, fazendo crescer não só o comércio, mas também trocas culturais, acadêmicas e impulsionando o turismo. Cerca de 4 milhões de chineses visitaram a ilha no último ano. Porém, a promessa dos benefícios econômicos com o estreitamento das relações com a China deixou a desejar.

Eleitores estão insatisfeitos com os salários mais baixos, a queda nas exportações e um crescimento da economia que não superou 1%. Eles enfrentam ainda uma taxa de desemprego perto dos 4%, que é considerada alta para a região, e alegam que os benefícios econômicos ficaram com as grandes empresas, favorecendo pouco a população. Outra crítica ao atual governo é de que a dependência econômica em relação à China compromete a soberania e a identidade de Taiwan.

Tsai se diz contrária a políticas que agravem a dependência econômica em relação aos chineses, mas adota um tom moderado comparado ao tradicional discurso independentista do PDP. A candidata da oposição reiterou esta semana que, se eleita, fará o seu melhor para “manter a estabilidade” entre os vizinhos. Durante a campanha, Tsai reforçou que é o povo de Taiwan que deve estabelecer qual será sua relação com a China.

Ela quer tranquilizar Pequim e Washington dando sinais de que não pretende ameaçar a estabilidade da região. Se o novo governo de Taiwan tentar abertamente promover sua independência completa da China, pode gerar graves tensões com Pequim, o que preocupa não só os países da região, mas também os Estados Unidos.

Carnaval de Gallipoli, na Itália, valoriza tradições da época do Império Romano

Protestos fascistas e influência de Berlusconi marcam campanha eleitoral na Itália

Olimpíadas de Pyeongchang podem ser "os jogos da paz" entre as duas Coreias?

Eleitores vão às urnas para votar versão equatoriana do “Ficha Limpa”

Pedido de vista no julgamento de Lula seria um balde de água fria na militância