rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Queniano Eliud Kipchoge termina Maratona de Berlim em 2h03 e vence a prova

Cocaína Evo Morales Papa

Publicado em • Modificado em

Evo Morales sugere que papa Francisco consuma folha de coca

media
O presidente da Bolívia, Evo Morales, ofereceu um livro sobre os benefícios da folha de coca para o papa Francisco. REUTERS/Alessandra Tarantino/Pool

O papa Francisco recebeu nesta sexta-feira (15) no Vaticano o presidente da Bolívia, Evo Morales. No final de uma audiência de quase meia hora, na qual elogiou os benefícios da folha de coca para a saúde, o líder boliviano recomendou que o sumo pontífice também consumisse a planta, usada pelo índios nos Andes, mas também para a produção de cocaína.


Morales, que defende a descriminalização da folha de coca, não perdeu a oportunidade de tentar convencer o papa Francisco dos benefícios da planta. "Eu estou tomando e me faz bem. Por isso recomendo", afirmou o presidente boliviano ao sumo pontífice, diante da imprensa. O líder boliviano presenteou o papa com três livros sobre os benefícios da planta.

Além de ser o principal componente da cocaína, a planta, que faz parte da tradição dos indígenas andinos, é usada de forma medicinal para amenizar os efeitos da altitude. O próprio sumo pontífice chegou a beber o chá de coca, servido no avião que o levava para La Paz no ano passado.

Relações estremecidas entre Morales e a Igreja

Segundo o Vaticano, durante o encontro, realizado na biblioteca do palácio apostólico, Morales e o chefe da Igreja Católica também falaram da “conjuntura socioeconômica atual” na Bolívia. Os dois líderes já haviam se encontrado em uma das passagens de Francisco pelo continente americano e durante uma visita anterior do presidente boliviano ao Vaticano.

As relações entre Morales e o episcopado boliviano não são das melhores. O presidente acusa a igreja local de favorecer a oposição de direita. Após afirmar que o governo estaria envolvido no tráfico de drogas, os bispos chegaram a ser pressionados pelo presidente para que fornecessem os nomes das pessoas eventualmente ligadas às atividades criminosas.