rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

ONU Síria Fome Ajuda humanitária Guerra

Publicado em • Modificado em

Cidade síria de Daraya recebe primeira remessa de comida em quatro anos

media
Pela primeira vez em quatro anos de cerco de guerra, moradores de Daraya recebem alimentos. Fadi Dirani / AFP

Pela primeira vez desde 2012, um comboio de caminhões transportando alimentos entrou na noite desta quinta-feira (9) na cidade rebelde de Daraya, sitiada pelas tropas do regime na Síria. Atualmente, cerca de 8 mil pessoas ainda vivem nessa localidade, a 10 km a sudoeste de Damasco. Muitas sofrem privações e desnutrição, segundo a ONU e ONGs internacionais.


O diretor de Operações do Crescente Vermelho sírio, Tammam Mehrez, informou que nove caminhões descarregaram ajuda alimentar, alimentos secos e sacos de farinha, além de ajuda não alimentar, bem como ajuda médica aos moradores que restaram em Daraya. Ele destacou que a comida é suficiente "para um mês", mas não especificou o número de pessoas ou de famílias atendidas. A operação foi realizada com a cooperação das Nações Unidas.

Em poder dos rebeldes, a Câmara local de Daraya postou um vídeo, com imagens do que seriam veículos da ONU chegando à cidade ao anoitecer. Bastião rebelde altamente simbólico, Daraya foi uma das primeiras cidades a se rebelar contra o regime, em 2012, e também uma das primeiras a ser sitiada.

Sírios sentados ao lado de um edifício danificado na cidade de Daraya, sudoeste de Damasco, em 23 de Maio de 2016. FADI DIRANI / AFP

"Não eram muitos os habitantes que esperavam o comboio, porque já não acreditavam mais nas promessas", disse à AFP o militante Shadi Matar, contactado pelo Facebook. "Com os bombardeios da cidade (por parte do governo), as pessoas já não se atrevem a sair e se reunir", acrescentou. Ele afirmou, porém, que "as incursões diminuíram de intensidade pouco antes da chegada do comboio". Segundo o militante, os alimentos não dão para todos os habitantes sitiados. "Nos informaram que se trata de uma parte da ajuda", disse.

Moradores de dezenove cidades sírias passam fome

A entrega da carga humanitária aconteceu algumas horas depois do anúncio do enviado especial da ONU, Staffan de Mistura, de que o governo sírio autorizou a ONU a enviar ajuda por via rodoviária a 19 cidades sitiadas. De acordo com as Nações Unidas, cerca de 592.700 pessoas vivem nessas áreas.

O governo de Damasco sempre se negou a deixar entrar ajuda em Daraya, já tendo autorizado seu ingresso em outras localidades. Há quatro anos, o governo tenta recuperar essa cidade situada muito perto da base aérea de Mazzé, sede dos serviços de informação das Forças Aéreas sírias e de sua prisão.

Em uma das cidades mais afetadas, Madaya, onde mais de 40.000 pessoas vivem cercadas há meses, 46 pessoas morreram de fome entre 1º de dezembro de 2015 e janeiro de 2016, segundo a ONG Médicos sem Fronteiras.

No mês passado, os 20 países e organizações do Grupo Internacional de Apoio à Síria (GISS) estabeleceram 1º de junho como o último prazo para que os comboios pudessem chegar às cidades cercadas. Caso contrário, a ONU lançaria a comida por aviões. Na última sexta (3), a ONU anunciou que ampliaria esse prazo até 10 de junho.

Desde o início da revolta contra o governo de Bashar al-Assad, em março de 2011, a guerra deixou mais de 280.000 mortos e deslocou milhões de pessoas. A trégua é rompida com frequência desde o final de abril, e as negociações de paz se encontram em ponto morto.

Com informações da AFP