rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Hong Kong Eleições China

Publicado em • Modificado em

Geração a favor de ruptura com Pequim chega ao Parlamento de Hong Kong

media
Nathan Law, 23 anos, comemora vitória nas eleições parlamentares em Hong Kong. Reuters/路透社

Uma nova geração de políticos de Hong Kong, favoráveis a uma ruptura com a China, conseguiu entrar no Parlamento local, após a vitória nas primeiras eleições celebradas desde a criação do "Movimento dos Guarda-Chuvas".


Um recorde de 2,2 milhões de pessoas compareceram às urnas no domingo (4), para uma eleição importante na cidade semiautônoma, onde cresce a sensação de que a China está endurecendo o controle em temas políticos, culturais e inclusive educativos.

Quatro candidatos que defendem o rompimento com Pequim conseguiram entrar para o Conselho Legislativo (LegCo, o Parlamento local) e um quinto também pode conquistar uma vaga, segundo os primeiros resultados.

Entre os novos parlamentares está Nathan Law, um dos líderes mais conhecidos do movimento conhecido como a "Revolução dos Guarda-Chuvas", que em 2014 bloqueou durante dois meses bairros inteiros na ex-colônia britânica, em protesto a reformas do sistema eleitoral em Hong Kong. O partido de Law, o Demosisto, defende a organização de um referendo sobre a integração à China.

"Acredito que os verdadeiros cidadãos de Hong Kong queriam uma mudança", disse Law, de 23 anos, que foi o segundo mais votado em sua circunscrição, atrás de um candidato favorável a Pequim. "Os jovens têm um senso de urgência sobre o futuro", afirmou.

Law optou por um discurso conciliador, para tentar unificar a oposição tradicional com o novo movimento político. "Temos que estar unidos contra o Partido Comunista (Chinês)", disse à AFP. Antes, Law estabeleceu  distância dos setores mais radicais do movimento denominado como "localista".

Pequim censurou candidatos abertamente pró-independência

Muitos candidatos abertamente partidários da independência não foram autorizados a disputar as eleições, depois que as autoridades argumentaram que militar pela independência é ilegal. Para participar da eleição alguns deles evitaram mencionar a palavra tabu e passaram a utilizar o termo "autodeterminação".

Yau Wai-Ching, candidata do novo movimento Youngspiration, que defende o direito de Hong Kong de "falar de soberania", também foi eleita. Outro candidato do partido, Baggio Leung, de 30 anos, com um discurso repleto de referências à independência, também deve entrar no LegCo.

Para o analista político Joseph Cheng, "essas eleições se caracterizam especialmente por uma mudança intergeracional de líderes políticos".

A participação foi de quase 60% dos 3,7 milhões de eleitores. Em 2012, a votação para o o LegCo teve índice de comparecimento de 53%. "Houve um recorde de pessoas que emitiram seu voto este ano", disse à imprensa o presidente da Comissão de Assuntos Eleitorais, Barnabus Fung. Em alguns locais de votação as filas prosseguiram na madrugada desta segunda-feira, várias horas depois do horário previsto para o fechamento das urnas.

Redução da oposição moderada pode reforçar Pequim a curto prazo

No entanto, a maior parte da oposição tradicional que é favorável à democracia não apoia uma independência e o avanço dos candidatos que defendem uma ruptura pode prejudicar sua presença no Parlamento.

Das 70 cadeiras no Legco, apenas 35 são definidas por eleição direta e representam circunscrições, enquanto outras 30 procedem de grupos profissionais favoráveis a Pequim e outras cinco, as chamadas "super cadeiras", são eleitas por voto popular, mas sem estar relacionadas a um território.

A oposição moderada pró-democracia tem 27 cadeiras, o que permite exercer uma minoria de bloqueio. Com quatro representantes a menos, também perderão esse privilégio.

A redução da força política da oposição moderada reforçaria Pequim a curto prazo, mas a longo prazo poderia legitimar o discurso dos favoráveis à independência. Os primeiros resultados, no entanto, mostram que os dois lados podem coexistir e que a oposição tradicional poderia conservar o direito ao veto.