rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Tribunal Penal Internacional de Haia vai julgar crimes ambientais

Por RFI

O Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia, vai passar a julgar empresas e dirigentes políticos responsáveis por danos graves ao meio ambiente. Os detalhes sobre a formulação e a aceitação das queixas ainda estão sendo definidos, mas catástrofes como a da barragem de Mariana no Brasil passam a ser também da jurisdição da Corte de Haia. Esse avanço surpreendente acontece logo após a ONU anunciar que o assassinato de ativistas ambientais atingiu níveis epidêmicos. O Brasil é o país mais violento do mundo para os ambientalistas.

Letícia Fonseca, correspondente da RFI em Bruxelas

A decisão do Tribunal Penal Internacional de Haia, que até então se ocupava de genocídios, crimes de guerra e contra a humanidade, vai ampliar sua área de atuação dando início ao julgamento de crimes ambientais. Isso significa um avanço extraordinário, uma vitória significativa não apenas para os ambientalistas, mas para a preservação do homem como espécie, para o futuro do planeta. Com isso, as catástrofes ambientais vão deixar de ficar impunes.

O ativista político e Nobel da Paz argentino, Adolfo Perez Esquivel, é um dos principais nomes por trás desse projeto audacioso. Há anos ele luta para que os grandes crimes ambientais sejam considerados ofensas contra a humanidade e julgados em Haia.

Segundo Esquivel, a destruição da natureza constitui um delito tão grave quanto os genocídios ou os assassinatos cometidos pelas ditaduras. “Qual a diferença entre o assassinato de milhares de civis em um ataque no Afeganistão e a morte de milhares de pessoas por contaminação da água?”, indaga.

Legislação internacional foi adaptada

Juristas de vários países ajudaram a adaptar a legislação internacional para o julgamento de crimes ambientais. A Corte de Haia pretende priorizar crimes que resultaram na destruição grave do meio ambiente, na exploração de recursos naturais e usurpação ilegal de terras.

Há décadas empresas multinacionais têm adotado essa prática em países em desenvolvimento, muitas vezes com o apoio dos governos federais e locais. Porém, a partir de agora, presidentes e diretores executivos de empresas que estão cometendo crimes ambientais poderão ser julgados por terem se apropriado ilegalmente de terras, abatido florestas tropicais ou contaminado água.

Foram os europeus que promoveram a criação do Tribunal Penal Internacional como instrumento contra a impunidade mas também como meio de regulamentar a justiça internacional. O TPI foi criado em 1998 a partir do Estatuto de Roma que foi ratificado por 124 países. No entanto, potências como EUA, China, India, Rússia, Israel e Indonésia não reconhecem a Corte de Haia.

Brasil é campeão mundial de violência contra ambientalistas

De acordo com o relatório da ONG britânica Global Witness, pelo menos 185 ambientalistas foram assassinados em 2015 no mundo. Esse é o maior número de mortes de pessoas defendendo suas terras ou o meio ambiente já registrado pela entidade.

Pela quinta vez consecutiva, o Brasil lidera esse triste ranking. No último ano, foram registrados 50 atentados contra ativistas ambientais no país. A maioria dos assassinatos estaria relacionada a conflitos por posse de terra, plantações agroindustriais em grande escala e desmatamento, que geralmente está associado aos madeireiros ilegais que entraram em áreas protegidas ou territórios indígenas.
Os estados brasileiros mais violentos são Rondônia e Pará, onde ocorreram 90% dos casos. Nem todos os crimes são notificados, o que leva a crer que o número real de assassinatos possa ser bem maior.

Na América Latina, o Brasil aparece seguido pela Colômbia (26 mortes em 2015), Peru (12), Nicaraguá (12), Guatemala (10), Honduras (8) e México (4). Para a Global Witness, “esses números chocantes são uma evidência de que o meio ambiente emerge como um novo campo de batalha para os direitos humanos”.

Alemanha: autor de ataque contra sinagoga afirma ter sido motivado por ideias de extrema direita

Briga por processo de impeachment pode fortalecer a reeleição de Trump

Postura instável de Trump no norte da Síria ameaça futuro de curdos e pode fortalecer grupo EI

Papa Francisco condena "proselitismo religioso que força conversões" na Amazônia

Com coalizão "Geringonça", socialista António Costa desponta como vencedor do pleito em Portugal

Assassinato de jornalista saudita completa um ano sem punição e sem corpo

Manifestante é ferido a tiros em Hong Kong em protesto contra festa da China comunista

Catedral de Manaus celebra missa para religiosos que irão ao Sínodo do Vaticano

Maioria no Senado americano, republicanos não temem ameaça de impeachment

Derrubada de vetos de Bolsonaro à Lei de Abuso de Autoridade fortalece Congresso, diz presidente do Senado

Secretário-geral da ONU nega ter vetado Brasil e outros países na Cúpula do Clima

Alemanha declara guerra aos carros SUVs por poluírem e ocuparem muito espaço em estacionamentos

Escolha de Christine Lagarde para comando do Banco Central Europeu é polêmica

Após meses de atrito, Macron vai à Roma tentar reaproximação com a Itália