rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

ONU Relatório Clima Efeito estufa Estados Unidos Europa China COP22

Publicado em • Modificado em

Emissões de gases poluentes estão estáveis há três anos, diz relatório

media
COP22: emissões de CO2 estão estáveis, mas ainda altas REUTERS/Youssef Boudlal

As emissões de gases poluentes, que provocam o efeito estufa, estão estáveis pelo terceiro ano consecutivo, mas essa estabilização é insuficiente para conter o aquecimento global. O alerta é da organização Global Carbon Project, que apresentou um documento nesta segunda-feira (14) à margem da COP22, conferência sobre o clima da ONU que acontece até sexta-feira (18), em Marrakech.


O relatório anual da organização traz conclusões de cientistas do mundo inteiro. As emissões estão estáveis graças à China, maior poluidora do mundo, que reduziu a utilização de carbono. Em 2015, o total de emissões mundiais ligadas à indústria e à combustão de energias fósseis também não aumentou.

Para a cientista Corinne Le Quéré, uma das autoras do documento, trata-se de uma contribuição essencial na luta contra as altas temperaturas, mas ainda “insuficiente”. De acordo com ela, para impedir que a alta chegue a 2° C em relação ao nível anterior à Revolução industrial, no século 19, e evitar uma catástrofe, as emissões deveriam diminuir em média de 0,9% até 2030, indica o estudo.

Até agora, calculam os cientistas, o mundo já emitiu dois terços do que é permitido. No ritmo atual, em menos de 30 anos, as temperaturas já terão atingido o limite. Apesar das emissões estarem estáveis, a concentração dos gases poluentes na atmosfera continua elevada, por conta das características químicas das substâncias. “Elas nunca estiveram tão altas”, declara a cientista.

China e EUA reduzem emissões

A China, que emite 29% dos gases que provocam o efeito estufa, baixou sua atividade poluidora em 0,7% em 2015. Os Estados Unidos, segundo país mais poluidor, reduziram as emissões em 2,6%, utilizando gás e petróleo no lugar do carvão. “As energias eólicas, solar e o gás continuam a substituir o carvão no consumo da energia elétrica”, observa Glen Peters, um dos co-autores do estudo.

Em compensação, a União Europeia registrou um aumento das emissões de 1,4% no ano passado. Reunida em Marrakech até sexta-feira, a comunidade internacional tenta encontrar meios para tornar efetivo o acordo de Paris contra o aquecimento global, e obter um compromisso formal dos países, que atualmente não estão suficientemente engajados.