rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Ciclone pode ter matado mais de mil pessoas, afirma presidente de Moçambique
Linha Direta
rss itunes

COP 22 ainda busca ações concretas contra aquecimento global

Por Adriana Moysés

A 22ª Conferência do Clima das Nações Unidas (COP 22) termina nesta sexta-feira (18) em Marrakech, no Marrocos. Foram duas semanas de debates para definir as primeiras linhas de regulamentação do Acordo de Paris, o histórico pacto global que propõe limitar o aquecimento do planeta a 2°C até o fim do século.

Enviada especial a Marrakech

A entrada em vigor em tempo recorde do Acordo de Paris pegou os 193 países signatários do compromisso de surpresa. O processo foi tão rápido que a maior parte dos países não teve tempo hábil para pensar na regulamentação de tudo o que está previsto para reduzir as emissões de gases de efeito estufa nos próximos 30 anos e ajudar os países impactados pelas mudanças climáticas a se adaptarem à nova realidade.

Os líderes costumam dizer que o Acordo de Paris foi um ponto de partida. Agora, é preciso construir essa nova economia mundial de baixo carbono, menos dependente de combustíveis fósseis, mais sustentável, etapa por etapa.

Em Marrakech, líderes e negociadores começaram a definir um cronograma de ações, mas o prazo ainda assim foi curto. A conclusão do chamado “livro de regras de implementação” do Acordo de Paris será discutida nos próximos dois anos e deve estar concluída em 2018. Alguns temas, como a inclusão da agricultura em projetos ligados às mudanças climáticas, sequer foram tratados, sendo adiados diretamente para a COP 23, que acontecerá em 2017 em Bonn, na Alemanha.

Aceleração das negociações com a delegação americana

O resultado da eleição de Donald Trump foi anunciado no terceiro dia da COP 22. Diante da ameaça feita por Trump de anular o Acordo de Paris, ou sair da Convenção da Mudança do Clima da ONU, os países passaram a pensar no que fazer para blindar as conquistas do Acordo de Paris. Houve uma aceleração das negociações com a delegação americana, ainda sob o comando de Barack Obama, para deixar um máximo de ações amarradas, de forma a dificultar o caminho de Trump.

Os Estados Unidos anunciaram metas expressivas de política energética durante a COP 22. Eles pretendem chegar em 2050 tendo reduzido 80% das emissões de gases do efeito estufa. Foi uma forma de mostrar que o mandato de Trump poderá significar apenas um parênteses. Os Estados Unidos estão a longo prazo comprometidos com uma economia limpa, de baixo carbono.

O ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, disse que a atmosfera não é de pessimismo. Sarney Filho enfatizou que até o final do dia, os países vão tentar anunciar avanços concretos de regulamentação. Até havia rumores ontem de que a COP poderia não terminar hoje, como estava previsto, e se prolongar até o sábado. O principal foco de tensão nas negociações foi o financiamento de projetos de adaptação às mudanças climáticas.

Os países ricos, que prometeram US$ 100 bilhões por ano ao Fundo Verde da ONU, a partir de 2020, estariam segurando o dinheiro. A situação é paradoxal, porque os países afetados por catástrofes causadas pelo aquecimento global precisam de ajuda imediata. Existe uma pressão da China e de países em desenvolvimento para antecipar a contribuição nos próximos três anos.

Carta de Marrakech

No final do dia de ontem (17), foi divulgada a Carta ou Chamamento de Marrakech, uma declaração política assinada pelos líderes e negociadores presentes na COP 22. Um texto de uma página no qual eles reiteram o compromisso com o combate ao aquecimento global.

Ele lembram que "as ações contra as mudanças climáticas são urgentes e devem ser tratadas com prioridade". Nesse documento, os países ricos reiteram a promessa de destinar "US$ 100 bilhões para a mobilização global", mas sem citar prazos e critérios de financiamento.
 

Visto, acordos econômicos e transferência tecnológica estão na agenda de Bolsonaro nos EUA

Aniversário de 60 anos do exílio leva China a proibir turistas no Tibete até abril

Em plena campanha eleitoral, Netanyahu se envolve em briga com atriz que interpreta Mulher-Maravilha

Após obter novas garantias junto à UE, Reino Unido vota novamente acordo do Brexit

Venezuela: apagão leva Guaidó a pedir instauração do estado de emergência

Greve de mulheres espanholas exige igualdade salarial no mercado de trabalho

Vaticano faz em Manaus reunião preparatória para Sínodo da Amazônia, criticado por governo Bolsonaro

China corta impostos e anuncia "batalha" para combater desaceleração da economia

Venezuela: manifestações marcam retorno de Guaidó, que pode ser preso

Mostra em Berlim reconstrói cidades históricas sírias destruídas pela guerra

Brasil faz escolha coerente ao descartar conflito armado na Venezuela, dizem analistas

Em duelo político, Maduro e Guaidó promovem shows na fronteira entre Colômbia e Venezuela

Em cúpula sobre pedofilia, papa pede que Igreja encare a "praga dos abusos sexuais"

Cem empresários argentinos começam a depor no processo "Cadernos da Corrupção"