rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

ONU Aleppo Síria Guerra civil Conselho de Segurança

Publicado em • Modificado em

Conselho de Segurança da ONU aprova envio de observadores a Aleppo

media
Conselho de Segurança da ONU aprova envio de observadores a Aleppo REUTERS/Andrew Kelly

Com o apoio da Rússia, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou nesta segunda-feira (19) o envio de observadores da ONU a Aleppo para monitorar as retiradas e informar sobre a situação dos civis que permanecem sitiados na cidade síria.

 


O Conselho aprovou por unanimidade o projeto de resolução apresentado pela França, que assim dá a primeira demonstração de unidade em meses entre as potências mundiais sobre a crise na Síria.

A resolução pede à ONU que conduza uma "supervisão adequada, neutra e direta das retirada no leste de Aleppo e em outros setores da cidade".

Pede igualmente a Ban Ki-moon, secretário-geral das Nações Unidas, a adoção de medidas urgentes para permitir que os observadores possam supervisionar o bem-estar da população civil e consultar as partes interessadas.

Comboio de 21 ônibus

Um comboio de 21 ônibus transportando moradores do leste de Aleppo chegou nesta segunda-feira de manhã a Al Rachidine, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Outros dez veículos, com civis, deixaram as localidades xiitas de Al Foua e de Kefräia, sitiadas pelos rebeldes, de acordo com a organização.

Cerca de 4500 civis puderam deixar o local. Os dois vilarejos estão situados na província de Idlib, no noroeste da Síria. A evacuação deles era uma condição para que civis e opositores pudessem deixar o leste de Aleppo depois do acordo assinado entre o regime de Bashar al-Assad e os rebeldes.

Na noite do domingo, 350 pessoas conseguiram deixar Aleppo, mas a operação teve que ser interrompida por conta de incidentes em Al Foua e Kefraya, onde vários ônibus foram incendiados.

A situação humanitária na cidade é a grande preocupação das ONGs. Falta comida e estrutura para atender os feridos, já que diversos hospitais foram destruídos. Mais de 40 mil civis ainda estão bloqueados na cidade.