rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Igreja Católica Filipinas Rodrigo Duterte

Publicado em • Modificado em

Mais de um milhão de filipinos participam de procissão do “Nazareno Negro”

media
Milhões participam na procissão do "Nazareno Negro", nas Filipinas, nessa segunda-feira, 9 de janeiro de 2017. REUTERS/Romeo Ranoco

Apesar da ameaça de ataques, mais de um milhão de filipinos participaram nesta segunda-feira (9), na capital Manila, da procissão anual do Nazareno Negro, um dos mais impressionantes eventos católicos do mundo.


Os fiéis acreditam que a estátua do Cristo em escala humana, que carrega em seu ombro uma grande cruz negra, tem poderes milagrosos, e que ele pode curar doenças ou trazer boa sorte. "Se você tem desejos, eles serão ouvidos se você orar muito", afirmou Lolit Gonzales, esteticista filipina de 45 anos, sentada em uma calçada da capital, após ter ajudado a puxar o carro que carregava a estátua.

Ao redor da estátua, multidões tentavam chegar o mais próximo possível da imagem, chegando a subir de subir nos ombros de outras pessoas para beijar o ícone, ou esfrega-lo com um pano branco.

A filipina Lolit Gonzales acredita que o fato de ter participado da mesma procissão, há dois anos, permitiu-lhe curar um problema no joelho, que, segundo médicos, necessitaria de uma cirurgia e de remédios caros, os quais não poderia pagar. Nessa segunda, ela participou da procissão para ter certeza de que a doença não voltará, uma vez que não possui plano de saúde e que é arrimo de sua família.

Muitos fiéis seguiram a procissão descalços, com temperaturas excedendo os 30 graus, realizando assim uma prova de penitência, simbolizando o sofrimento de Jesus de Nazaré na cruz. A estátua é chamada de Nazareno Negro por causa de sua cor escura, causado, de acordo com a lenda, por um incêndio no navio que trouxe o ícone do México, no início do século 17.

“Deus está conosco”

A crença nas propriedades milagrosas do Nazareno negro também foi reforçada, ao longo dos séculos, pelo fato de ter sobrevivido a muitos incêndios e terremotos, bem como ao bombardeio de Manila, em 1945. Todos os anos a imagem sai levada pelos fiéis em procissão de sua Basílica, no distrito de Quiapo, na capital filipina.

Atrás do carro principal, ícones e réplicas da cruz seguem em procissão lenta. Um pequeno caminhão transportava freiras vestidas de branco que regavam os peregrinos com água benta, recitando orações em espanhol.

Os filipinos católicos, que representam 80% da população do arquipélago, são conhecidos por viver intensamente sua devoção, muitas vezes de maneira extrema e até com violência. O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, que nunca se pronunciou claramente sobre suas crenças religiosas e que não hesita em criticar a influente igreja filipina, enviou, no entanto, uma mensagem de encorajamento a todos os fiéis.

“As orações têm todas as chances de serem atendidas porque nunca desistimos de pedir a Deus para realizar nossos desejos", afirmou o presidente. "Aqui está o testemunho fenomenal da fé de milhões de fiéis, que expressam sua gratidão a cada 9 de janeiro, seus pedidos e seus sacrifícios para o Nazareno Negro", finalizou Duterte.

Confira abaixo as imagens impressionantes da procissão dessa segunda-feira: