rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Davos Urbanismo Terrorismo Segurança Mudanças Climáticas

Publicado em • Modificado em

Cidades crescem e população fica mais frágil, diz empresa do Brasil em Davos

media
Crescimento rápido e desordenado afeta populações das grandes cidades Passapalavra.info

Cada vez há mais cidades no mundo, e cidades cada vez mais ricas. Mas, ao mesmo tempo, seus habitantes estão expostos a fatores que os deixam em situação de fragilidade, indicou pesquisa de empresa brasileira em Davos, nesta sexta-feira (20).


A fragilidade derivada do rápido crescimento urbano foi uma das preocupações deste ano no Fórum Econômico Mundial (WEF), que é realizado na estação suíça de Davos.

Segundo a consultoria brasileira Igarapé, dois terços da população mundial viverá em zonas urbanas em 2030, contra a metade atualmente. E grande parte deste aumento será proveniente de apenas três países: China, Índia e Nigéria.

Paralelamente, algumas "supercidades", que atualmente já são motores da economia mundial, se parecerão cada vez mais com um país, com um poder e uma influência proporcionais às suas enormes populações.

Crescimento rápido fragiliza população

Mas este crescimento também provoca muita fragilidade. Segundo o estudo da Igarapé, que estabeleceu um ranking de fragilidade das cidades do mundo, quanto maior for seu número, mais vulneráveis elas serão.

Paris, com um índice de fragilidade de 2,18, é mais vulnerável que Dacar (1,33), mas menos que Bagdá (3,88), por exemplo. Entre as 15 mais frágeis estão cidades como Aden, Cabul ou Mogadíscio, mas nenhuma latino-americana.

"O mundo está se tornando cada vez mais urbano", explica o especialista em segurança e desenvolvimento Robert Muggah, um dos fundadores do Instituto Igarapé, sediado no Rio de Janeiro. "E sua resiliência, êxito ou fracasso, determinará o desempenho de muitos Estados em nível global", completa.

O conceito de resiliência urbana (capacidade de adaptação) implica que as autoridades comecem a avaliar suas fragilidades e a tomar medidas, explica a geógrafa francesa Magali Reghezza. "Mesmo que não possamos eliminar os riscos, mesmo que não possamos evitar completamente as crises, podemos evitar que se tornem desastres. E, mesmo que ocorra um desastre, a ajuda é possível", afirma.

Três ameaças pairam sobre as cidades

Os atentados recentes demonstraram a vulnerabilidade de cidades como Paris ou Bruxelas, mas a longo prazo há outras ameaças, como o aumento do nível do mar ou o crescimento descontrolado nas zonas urbanas.
Este crescimento ocorre em muitos casos sem as infraestruturas básicas - como instalações sanitárias ou estradas - necessárias para que o crescimento seja sustentável.

"O mundo urbano enfrenta três ameaças: riscos naturais, em particular os derivados das mudanças climáticas e suas consequências nos oceanos, 'apagões' tecnológicos, e terrorismo de massa", disse Reghezza.

A resiliência é o futuro

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, explicou que, seguindo o exemplo de outras cidades, nomeou um "responsável de resiliência" para enfrentar as ameaças mais imediatas para a capital francesa: as inundações e a segurança.
"Estamos muito comprometidos nesta questão", disse à AFP.

Cerca de 50 cidades do mundo também têm pessoas responsáveis por este campo, segundo a fundação Rockefeller, que lançou um projeto chamado "100 cidades resilientes" para assessorar os prefeitos.
Mas a proteção diante das ameaças tem um custo muito alto.

Segundo dados do Banco Mundial, o investimento global para melhorar as infraestruturas urbanas, melhorando o transporte ou controlando as inundações, é de mais de US$ 4,5 trilhões por ano. Além disso, se as autoridades quiserem que estas infraestruturas sejam pouco poluentes e resistentes às mudanças climáticas, o número é muito maior.

As companhias de seguro já advertiram que os custos estão subindo e as medidas necessárias não estão sendo tomadas. Em 2016, os desastres naturais provocaram danos no valor de 175 bilhões de dólares, um nível que não era alcançado desde 2012, segundo dados da companhia resseguradora alemã Munich Re.

 

Informações da AFP