rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Domínio de língua estrangeira pode aumentar salário em até 52%, aponta pesquisa

Por Augusto Pinheiro

A empresa alemã Babbel, conhecida por seu aplicativo para aprendizagem de idiomas, realizou uma pesquisa online em todo o Brasil, para saber a opinião da população sobre a relação entre o domínio de idiomas e o sucesso profissional. Foram entrevistados 1.200 pessoas, entre dezembro de 2016 e janeiro de 2017.

"Os resultados apontam que 94% dos participantes acreditam que falar outros idiomas aumenta as chances de alcançar cargos mais altos nas empresas e de encontrar trabalhos melhores. Contudo, 52% dos participantes afirmaram não ter conhecimento em nenhum outro idioma", afirma Breno Pessoa, gerente de marketing da Babbel para a América Latina.

Segundo ele, "falar outras línguas torna o profissional mais qualificado e requisitado". "Uma pesquisa realizada pela consultoria Catho mostrou que o domínio de uma língua estrangeira pode aumentar o salário em até 52%. Um segundo ou terceiro idioma podem fazer a diferença, principalmente em países como o Brasil, onde não há muitos profissionais que falam mais de um idioma. Mesmo em tempos de crise, muitas multinacionais continuam abrindo escritórios no país. Aprender uma nova língua pode ser o trunfo necessário para garantir aquele emprego dos sonhos", completa.

Para 72% dos entrevistados, o idioma estrangeiro mais útil para crescer na carreira ou conseguir um bom emprego é o inglês. O mandarim, falado na China, foi citado apenas por 1%. "Acho que é porque se trata de uma língua distante do Brasil, apesar de a China ser um grande parceiro comercial. Além disso, ainda levará tempo para que o mandarim ganhe mais importância. A maioria dos chineses que trabalha no mercado internacional fala inglês, que ainda é a língua de referência."

Em segundo lugar, como idioma mais útil, foi citado o espanhol. Porém ele é apenas o quinto idioma mais estudado pelos brasileiros, depois de inglês, francês, alemão e italiano, nessa ordem, segundo a pesquisa.

"Eu acredito que é porque o espanhol é muito parecido ao português, então é possível ocorrer uma negociação ou uma comunicação mais básica. Mas, para causar uma boa impressão e ser melhor compreendido, é fundamental falar a língua fluentemente. Também em situações formais, como entrevistas de emprego ou participação em um projeto importante", diz Pessoa, que opina que é hora de se aproximar e de reforçar as relações com nossos vizinhos aprendendo o espanhol.

Francês e italiano

O gerente de marketing diz que a escolha do francês está ligada ao glamour passado dessa língua, que chegou a fazer parte do currículo obrigatório das escolas brasileiras. "É um idioma associado ao refinamento, à cultura, ao turismo. Não há uma razão muito específica para aprender o francês, é mais por paixão mesmo."

Já o aprendizado do italiano está relacionado à história da imigração do país europeu para o Brasil nos séculos 19 e 20. "Muitas pessoas descendem de italianos, principalmente em São Paulo e no Sul. Além disso, em nossos feedbacks, as pessoas comentam que gostam da sonoridade da língua e que têm prazer em aprendê-la." O alemão seguiria a mesma lógica, principalmente no Sul, além de razões profissionais.

A Babbel também tem curso de português, da variante brasileira. "Foi uma decisão de mercado. Nosso português é mais forte, mais procurado no mundo inteiro. Ele também tem uma sonoridade mais fácil para o estrangeiro."

“Discurso de ódio de Bolsonaro favorece ataques contra imprensa”, diz representante da RSF no Brasil

“Torre das Donzelas é um convite à resistência”, diz cineasta que reviveu presídio feminino durante a ditadura

“Acredito na resiliência do setor cultural”, diz assessor da Ancine sobre riscos para fomento

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

“Somos massacrados pela música comercial da pior qualidade”, diz trombonista Raul de Souza

Brasil rejeita presença africana desde século 19, diz Beatriz Mamigonian, especialista em escravidão moderna

“Bolsonaro é uma ameaça aos indígenas do Brasil”, diz cacique Tanoné em visita à França

Professor da Unicamp apresenta em Paris dispositivo alternativo para imersão sonora

Atualidade política inspira 21ª edição do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Escritora italiana Lisa Ginzburg lança livro de amor e tragédia no Brasil dos orixás

Filme sobre destruição de marco zero do Rio traz triste paralelo com atualidade

DJ Marcelinho da Lua lança álbum “Insolente” e diz: “Mundo atual está precisando de provocação”

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris

“Cada vez mais o racismo brasileiro sai do armário”, diz Conceição Evaristo em Paris

Beatriz Seigner: Lula e Dilma ajudaram a mostrar outros sotaques do cinema no Brasil