rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Domínio de língua estrangeira pode aumentar salário em até 52%, aponta pesquisa

Por Augusto Pinheiro

A empresa alemã Babbel, conhecida por seu aplicativo para aprendizagem de idiomas, realizou uma pesquisa online em todo o Brasil, para saber a opinião da população sobre a relação entre o domínio de idiomas e o sucesso profissional. Foram entrevistados 1.200 pessoas, entre dezembro de 2016 e janeiro de 2017.

"Os resultados apontam que 94% dos participantes acreditam que falar outros idiomas aumenta as chances de alcançar cargos mais altos nas empresas e de encontrar trabalhos melhores. Contudo, 52% dos participantes afirmaram não ter conhecimento em nenhum outro idioma", afirma Breno Pessoa, gerente de marketing da Babbel para a América Latina.

Segundo ele, "falar outras línguas torna o profissional mais qualificado e requisitado". "Uma pesquisa realizada pela consultoria Catho mostrou que o domínio de uma língua estrangeira pode aumentar o salário em até 52%. Um segundo ou terceiro idioma podem fazer a diferença, principalmente em países como o Brasil, onde não há muitos profissionais que falam mais de um idioma. Mesmo em tempos de crise, muitas multinacionais continuam abrindo escritórios no país. Aprender uma nova língua pode ser o trunfo necessário para garantir aquele emprego dos sonhos", completa.

Para 72% dos entrevistados, o idioma estrangeiro mais útil para crescer na carreira ou conseguir um bom emprego é o inglês. O mandarim, falado na China, foi citado apenas por 1%. "Acho que é porque se trata de uma língua distante do Brasil, apesar de a China ser um grande parceiro comercial. Além disso, ainda levará tempo para que o mandarim ganhe mais importância. A maioria dos chineses que trabalha no mercado internacional fala inglês, que ainda é a língua de referência."

Em segundo lugar, como idioma mais útil, foi citado o espanhol. Porém ele é apenas o quinto idioma mais estudado pelos brasileiros, depois de inglês, francês, alemão e italiano, nessa ordem, segundo a pesquisa.

"Eu acredito que é porque o espanhol é muito parecido ao português, então é possível ocorrer uma negociação ou uma comunicação mais básica. Mas, para causar uma boa impressão e ser melhor compreendido, é fundamental falar a língua fluentemente. Também em situações formais, como entrevistas de emprego ou participação em um projeto importante", diz Pessoa, que opina que é hora de se aproximar e de reforçar as relações com nossos vizinhos aprendendo o espanhol.

Francês e italiano

O gerente de marketing diz que a escolha do francês está ligada ao glamour passado dessa língua, que chegou a fazer parte do currículo obrigatório das escolas brasileiras. "É um idioma associado ao refinamento, à cultura, ao turismo. Não há uma razão muito específica para aprender o francês, é mais por paixão mesmo."

Já o aprendizado do italiano está relacionado à história da imigração do país europeu para o Brasil nos séculos 19 e 20. "Muitas pessoas descendem de italianos, principalmente em São Paulo e no Sul. Além disso, em nossos feedbacks, as pessoas comentam que gostam da sonoridade da língua e que têm prazer em aprendê-la." O alemão seguiria a mesma lógica, principalmente no Sul, além de razões profissionais.

A Babbel também tem curso de português, da variante brasileira. "Foi uma decisão de mercado. Nosso português é mais forte, mais procurado no mundo inteiro. Ele também tem uma sonoridade mais fácil para o estrangeiro."

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”

“Falta educação no projeto de governo Bolsonaro”, diz Renato Janine Ribeiro

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna