rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Ciro Gomes: “Nosso problema central não é a corrupção e sim o colapso econômico do Brasil”

Por Maria Emilia Alencar

A divulgação bombástica da lista de inquéritos do Supremo Tribunal Federal (STF), a partir das delações da Odebrecht, descreditou a classe política brasileira. O pré-candidato pelo PDT à eleição de 2018, Ciro Gomes, ficou fora da lista, o que pode favorecê-lo na corrida presidencial. Em entrevista exclusiva à RFI, Ciro Gomes diz que se “comportar” como homem público “nada mais é do que uma obrigação”, e acredita ser um erro colocar a corrupção no centro do problema do país. “Nosso problema é o colapso econômico brasileiro”, diz.

Ex-ministro, ex-governador, ex-prefeito, Ciro concorreu duas vezes à eleição presidencial no Brasil (1998 e 2002) e acha que sua pré-candidatura desperta interesse agora porque “ele não simplifica o discurso” mas, ao contrário, pretende ver as coisas na sua complexidade”.

Ele não se vê por enquanto participando de uma ampla frente de esquerda no país e admite que sua situação pode se complicar se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentar se reeleger. Segundo Ciro, se isso acontecer, vai ficar difícil para uma candidatura como a dele “ser achada pelo eleitorado”. Mas garante que fará o que o seu partido decidir.

“Dizer que todos políticos são iguais é um perigo”

Nessa entrevista à RFI, Ciro Gomes não chegou a admitir que o fato de estar fora da lista do STF pode lhe dar uma vantagem sensível no cenário eleitoral para 2018. Ele insistiu “que não consegue comemorar nada” e alertou para o perigo da generalização da classe política. Para o ex-ministro, há o risco da perda de confiança do povo na democracia, sentimento que está se alastrando perigosamente no Brasil. Ao generalizar, “você equaliza por baixo e acaba protegendo o centro podre que comanda atualmente a política brasileira”.

Ele ressalta que sua grande preocupação atual é que as pessoas sejam iludidas na “crença simplória” de que o nosso maior problema é a corrupção. “A corrupção é uma chaga, um câncer, que contamina a confiança no sistema, mas a centralidade do problema brasileiro na corrupção é um erro”.

Quanto ao “pacto” que estaria sendo selado, segundo a imprensa brasileira, entre PMDB, PSDB e PT, para impedir a exterminação das maiores legendas partidárias do país, ele se mostrou indignado: “Isso replica a pior tradição elitista e plutocrata brasileira”.

Ciro Gomes estava em Paris a convite do Instituto Cultural Alter'brasilis e do CAici (Instituto Internacional Cultural Castro Alves), onde participou nessa sexta-feira (14) de uma mesa-redonda com pesquisadores brasileiros e franceses na Universidade Paris 3 Sorbonne Nouvelle. Em seguida, o ex-ministro fará palestras em Barcelona, Lisboa e Coimbra.

 

“Nós vendamos o público para tentar curá-lo da cegueira do Outro”, diz encenador de Cidade Cega

"Cinema precisa rever seus privilégios no Brasil de hoje", diz Marcelo Caetano

“Escrever já é uma resistência”, defende poeta Ana Elisa Ribeiro em Paris

Brasileiro Lucas Guimaraens é curador convidado da Bienal de Poetas na França

"Clarice Lispector é única não só no Brasil, mas no mundo também", diz biógrafo Benjamin Moser

Cláudio Edinger participa da feira Paris Photo com imagens de "Machina Mundi"

“Produzimos 45% de toda a proteína do Brasil sem desmatar”, diz governador do Mato Grosso na China

“Villa-Lobos leva o europeu a se interessar por outros compositores brasileiros”, diz Paulo Meirelles

Brasília se cala sobre a responsabilidade da Samarco na tragédia de Mariana, diz promotor

“Fotos brasileiras interessam cada vez mais mercado da arte”, diz curador em Paris

“Nunca morreram tantas pessoas assassinadas no Brasil”, diz pesquisador

Izabella Borges: "existe uma lenda que literatura brasileira não vende na França"