rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Apesar de guerra, Brasil participa de Feira de Damasco, relata diplomata Bruno Razente

Por Paloma Varón

O Brasil participa da 59ª Feira Internacional de Damasco, na Síria, que vai de 17 a 26 de agosto. O evento, que acontecia todos os anos, sofreu uma interrupção de cinco anos por causa da guerra no país. No último domingo (20), a explosão de uma bomba no local da feira matou seis pessoas e deixou outras 12 feridas.

“A queda do morteiro assustou, mas a feira prossegue”, conta o diplomata Bruno Razente, chefe do setor comercial e consular da embaixada do Brasil em Damasco, hoje baseada em Beirute, no Líbano, por causa do conflito na Síria. “De certa forma, tristemente, a queda de morteiros em Damasco pode ser um fato corriqueiro e as pessoas já se acostumaram”.

“A explosão aconteceu no começo da tarde, enquanto a feira ainda estava fechada. Morreram apenas trabalhadores e expositores”, relata o diplomata. “O esquema de segurança em Damasco é muito forte, principalmente com check points para carros-bomba ou pessoas suspeitas. Mas não é possível controlar morteiros”, diz Razente. “A abertura na quinta foi um sucesso, espero que continue”, acrescentou.

A exposição reúne empresários regionais e estrangeiros de mais de 20 países. São duas as empresas brasileiras participantes do evento, ambas do setor farmacêutico: a União Química e a EMF. Segundo Razente, há oportunidades para muitas outras áreas e ele estimula as iniciativas do Brasil que queiram investir na Síria.

Oportunidades à vista

“A Síria agora tem carência em quase todos os setores e muita gente está de olho nas oportunidades que vão haver com a reconstrução, que é estimada num montante de US$ 180 bilhões, então estão tentando atrair todo tipo de empresa e de investimento estrangeiro”, avalia o diplomata.

Segundo ele, a participação do Brasil nesta primeira feira depois de cinco anos é importante para mostrar que os laços de amizade que existem com a Síria se mantêm. Razente conta que os sírios estão interessados em equipamentos, em máquinas, em produtos de maior valor agregado, especialmente em tecnologia agrícola. “Se o empresário brasileiro acreditar, pode vir e a gente vai tentar facilitar a parceria”, acrescentou.

O chefe do setor comercial da embaixada do Brasil em Damasco falou que o pico da relação bilateral entre Brasil e Síria foi em 2010 e depois caiu bastante, reduzindo-se à exportação de commodities, como café e açúcar.

“Aplicativo reduziu em 75% a minha perda de tempo na porta da escola”, diz Leo Gmeiner, cofundador do Filho sem Fila.

"Podemos nos afogar nas paisagens brasileiras", diz pintora francesa Guillaine Querrien

"O Brasil pode competir de igual para igual com os maiores ecossistemas de inovação do mundo", diz empreendedor brasileiro

"Há uma grande correlação entre música erudita e popular", diz cantora Rany Boechat

“Há um projeto de destruição do ensino superior público no Brasil”, denuncia professora da UERJ

Tite destaca lado humano de Neymar e diz: "Tem visibilidade grande, muitas vezes vão invejar, falar mal"

"Transformamos a China de concorrente a mercado para nossos calçados", conta Roberta Ramos

Pesquisadora traça paralelo entre os períodos pré-64 e pré-impeachment de Dilma

“Cinema independente tem mais espaço para produção de mulheres”, diz pesquisadora da Sorbonne

"É fundamental que Lula seja candidato em 2018", diz Bresser Pereira, ex-ministro de FHC

“Brasil produz mais de 400 tipos de queijos”, revela a chef Roberta Sudbrack

"Catequismo da luta anticorrupção estimula protagonismo do Judiciário no Brasil", diz especialista

“Nós vendamos o público para tentar curá-lo da cegueira do Outro”, diz encenador de Cidade Cega

"Cinema precisa rever seus privilégios no Brasil de hoje", diz Marcelo Caetano

“Escrever já é uma resistência”, defende poeta Ana Elisa Ribeiro em Paris

Brasileiro Lucas Guimaraens é curador convidado da Bienal de Poetas na França