rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Clima na Coreia do Norte é de relativa normalidade", diz diplomata brasileiro Cleiton Schenkel

Com o aumento das tensões entre Estados Unidos e Coreia do Norte, o mundo inteiro se pergunta se há de fato a possiblidade de um novo conflito na península coreana. E é difícil saber exatamente quais serão os próximos passos do regime do ditador Kim Jong Un. A Coreia do Norte é considerada o país mais fechado do mundo. Pyongyang mantém relações diplomáticas como apenas 24 países, entre eles o Brasil. O diplomata Cleiton Schenkel, encarregado de negócios da Embaixada do Brasil na Coreia do Norte, mora em Pyongyang há quase um ano e meio com a mulher e o filho, e diz que o clima na capital é de "relativa normalidade".

Reportagem de Vivian Oswald, correspondente da RFI em Pequim

RFI: Diante de tanta tensão e troca de provocações, como está o clima em Pyongyang? É vida normal?

Cleiton Schenkel: O clima na cidade é de relativa normalidade. Entre os locais, a gente não consegue observar uma diferença de atitude mais marcante agora, por exemplo, do que a que eles tinham há alguns meses. Já entre os membros da comunidade diplomática, claro, a gente consegue ver uma certa apreensão, e isso se reflete muito no aumento dos contatos, as pessoas trocam percepções, mas não chega a ser mais do que isso, mais do que uma apreensão. Muitas vezes, a gente tem a impressão de que a mídia internacional, pinta um quadro um pouquinho mais tenso do que é, do que a gente observa quando está aqui dentro.

RFI: Uma curiosidade: o que as pessoas fazem para se divertir aí?

CS: Bom, a respeito de diversão, é importante dividir entre os locais e os estrangeiros. Sobre s lugares frequentais pelos locais, a gente vê basicamente o mesmo tipo de diversão que veria em outros países, com algumas poucas peculiaridades. A cidade de Pyongyang tem muitos parques, parque de diversão, um calçadão ao longo do rio Taedong, onde a gente vê as pessoas caminhando, principalmente agora no verão, nos fins de semana. Quanto aos estrangeiros, ainda que a gente possa transitar na cidade, a gente sabe que as peculiaridades do país fazem com que a gente tenha menos interação. Então, os estrangeiros tendem a viver um pouco mais confinados. Não que não possam sair dos bairros diplomáticos, mas eles vivem basicamente dentro da comunidade, que é pequena. Então, as pessoas fazem jantares e se encontram muito. Existem um clube diplomático, muito bem estruturado, com piscina, com restaurante. Então, a comunidade internacional tende a se reunir nesses lugares.

RFI: Imagino que sozinho na Embaixada você tenha muito trabalho, mas o que você a sua família fazem nas horas vagas?

CS: Pessoalmente, eu tenho um filho pequeno, um bebê, na verdade, e eu passo bastante tempo em casa. E a gente acaba trazendo um pouquinho do Brasil para dentro da própria casa. Minha diversão é assistir a futebol, assistir a filmes, tomar chimarrão. As coisas que faria também na maioria dos outros lugares e também no Brasil.

RFI: Tem cinema aí? Quem vai?

CS: Sim, tem alguns cinemas. Alguns inclusive com uma boa estrutura, mas, nesse caso, a gente vê que as apresentações se dirigem só para o público interno mesmo, principalmente pela questão da língua. Os filmes não têm legenda em inglês. É bom ressaltar que Kim Jong Il, o pai do atual líder, era um cinéfilo. Muitas produções foram feitas localmente durante o período em que ele estava à frente do país. Outra informação interessante neste caso é que a Coreia do Norte tem um festival internacional de cinema, que é realizado a cada dois anos. Em 2014, pela primeira vez, um filme brasileiro inclusive foi apresentado durante o festival.

RFI: As tensões recentes entre americanos e norte-coreanos voltaram a crescer e aumentaram os riscos de uma guerra na região. Qual a sua avaliação sobre a possibilidade de um conflito?

CS: Sem dúvida a situação é sensível, e as ameaças que foram feitas são muito sérias e existe, então, uma possibilidade de um conflito. Mas, por outro lado, a gente sabe que as estimativas são de que, caso ocorra este conflito, as consequências serão tão devastadoras que ele acaba sendo improvável. Essa é a percepção que quase todos compartilham, de que, cedo ou tarde, as partes vão ter de chegar a uma solução diplomática para resolver este problema.

RFI: Como os norte-coreanos veem o que está acontecendo? Como veem os Estados Unidos, a Coreia do Sul e a China?

CS: De maneira geral, os norte-coreanos veem tudo isso que está acontecendo com uma certa naturalidade. Afinal de contas, apesar dos momentos de maior ou menos tensão, a hostilidade do país deles com o Estados Unidos é de longa data, não chega a ser novidade. Além do mais, é importante a gente verificar neste caso que eles tendem a ver o mundo pelo prisma que lhes é passado pelos meios de comunicação. Esses meios refletem a posição do governo, que é de muita confiança na capacidade deles de lidar com o problema. Sobre a relação da Coreia do Norte com cada um dos países envolvidos, é bom a gente ressaltar, de início, que o grande inimigo do país são os Estados Unidos. Então, sempre que existe uma mensagem mais forte, mais agressiva, ela é dirigida aos Estados Unidos. Sobre a relação deles com a Coreia do Sul, a gente vê que, muitas vezes, eles criticam o governo. Isso era mais verdade até mais em relação ao governo anterior do que a este que iniciou em maio. Então, eles dizem que as autoridades sul-coreanas são subservientes aos Estados Unidos e não agem com independência. Mas, sobre os sul-coreanos em geral, muitas vezes, a gente vê eles se referirem como “os nossos irmãos do sul”. É diferente o grau de hostilidade. Sobre a China, essa, sim, é importante a gente qualificar, porque muitas vezes, principalmente a mídia internacional coloca rótulos que não são exatamente precisos. É bem verdade que, num passado mais recente, os países foram aliados, isso se refletiu principalmente na Guerra da Coreia, quando os chineses lutaram aqui e até mesmo o filho do Mao Tse Tung morreu durante a Guerra da Coreia. Mas, por outro lado, se a gente for verificar por uma perspectiva histórica um pouco mais ampla, vamos ver que muitos norte-coreanos veem os chineses como um país que tentou impor relações imperiosas e de vassalagem. Então, é sempre importante ter em mente essas nuanças quando formos verificar a forma como é qualificada relação da Coreia do Norte com a China.

RFI: No início deste mês, o Conselho de Segurança da ONU aprovou outra resolução com novas sanções à Coreia do Norte. Como essas restrições afetam o país?

CS: Essa questão das sanções é bem complexa. A avaliação sobre a sua efetividade, ela depende muito de um exame um tanto quanto subjetivo sobre a forma como está sendo aplicada, sua eficácia, seu impacto no país. A gente tem que levar em conta que, desde 2006, já existem sanções multilaterais sendo aplicadas ao país, e elas têm sido apertadas gradualmente. Então, teria que fazer uma análise comparativa com o que era antes e depois de cada sanção. Isso é realmente um pouco difícil. O que eu posso dizer é que, para nós estrangeiros aqui, nós não podemos fazer compras em qualquer supermercado. Então, aí já teria o primeiro desafio para verificar qual o impacto na oferta. Nos mercados, nos poucos mercados que nós costumamos frequentar, a gente não observa falta de produtos. Por outro lado, tampouco existe abundância. Não é como um mercado que vemos na maioria dos países ocidentais em que, para cada tipo de produto tem duas ou três marcas, dois ou três tipos. Aqui, normalmente, essa oferta é bem limitada. Mas não faltam produtos. Por isso, é difícil a gente verificar. Além do mais, também, é bom ressaltar que a China costuma frisar que as sanções não impedem o comércio. Então, o fato de encontrar produtos não significa dizer que as sanções não estejam sendo aplicadas ou que não estejam sendo eficazes, porque não proíbem todo o comércio. A resolução recente apertou mais as exportações de carvão e minérios, mas isso não quer dizer que outros produtos não possam ser comercializados.

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR

"Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano

Após turnê internacional, cantora Flávia Coelho volta ao estúdio em Paris para gravar 4° álbum

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político