rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Para conter obesidade, China vai criar vilarejos "slow food"

Na contramão da expansão das redes de fast food e do aumento da obesidade no país, a China deve criar nos próximos cinco anos mil vilarejos "slow food". A ideia é estabelecer pontos de preservação da alimentação tradicional e da agroecologia no interior do país.

Luiza Duarte, correspondente da RFI em Hong Kong

O projeto foi anunciado esse mês depois do encerramento do 7º Congresso Internacional de Slow Food que aconteceu na cidade de Chengdu, na província do Sichuan, na China. O "slow food" é um movimento a favor dos alimentos locais e orgânicos e de um modelo de produção que proteja a biodiversidade. A rede, que defende uma alternativa de desenvolvimento agrícola, onde o pequeno produtor é valorizado, tem representações em 160 países e vem crescendo desde os anos 90.

O “slow food” repensa a forma como os alimentos são produzidos e consumidos e denuncia os efeitos negativos da violenta industrialização do setor. Ele apoia fazendas ecológicas, a agricultura orgânica e tradições culinárias locais.

Nos últimos anos, o governo chinês tem multiplicado as medidas para combater a poluição e o aquecimento global. Para isso, vem estimulando o desenvolvimento de soluções verdes nos transportes e na produção de energia, mas também abrindo espaço para a agricultura sustentável.

A China esse ano se comprometeu a não aumentar o uso de pesticidas e fertilizantes. Segundo o Ministério da Agricultura, o país utiliza um terço dos pesticidas químicos usados no mundo. Essa prática provocou a poluição e a degradação do solo em um grande número de áreas rurais chinesas. As iniciativas de agroecologia querem reverter esse quadro.

Projeto piloto

Essa será a primeira vez que um vilarejo “slow food” é criado na China. A comunidade de Anren, que fica a cerca de 40km da grande Chengdu foi selecionada para ser o modelo desse projeto piloto. Até o final do ano, mais detalhes sobre o funcionamento desse primeiro vilarejo devem ser anunciados. A previsão é que ele seja oficializado em 2018. A meta é criar mil áreas dedicadas à agroecologia no país nos próximos cinco anos.

Nessa mesma zona já existe há mais de 10 anos uma importante ecovila. Cerca de 3 mil pessoas vivem no vilarejo de Anlong, uma fazenda totalmente orgânica e sustentável que é uma experiência de agricultura apoiada pela comunidade. O modelo de produção tem crescido na China nessa década, através de uma rede que torna possível comprar diretamente do produtor.

O país já é o quarto mercado mundial de orgânicos. O interesse por produtos de melhor qualidade e mais seguros para a saúde está crescendo. É cada vez mais fácil encontrar produtos orgânicos nos mercados chineses.

Governo chinês se abre a questões ambientais

O governo chinês tem demonstrado uma abertura maior às questões ligadas ao meio ambiente, mas ele tem também outro desafio para enfrentar em relação a saúde da população. Hoje, a China tem a maior população acima do peso do mundo e registra uma explosão da obesidade infantil. As redes de fast food continuam se espalhando pelo país.

Os chineses consomem uma grande quantidade de alimentos processados e o chá tradicional já perde espaço para bebidas enlatadas com altas taxas de açúcar. Outra missão desses vilarejos é reaproximar os chinesas das suas tradições culinárias, da cozinha, do preparo do alimento fresco, das verduras, legumes e frutas. Um esforço em nome da saúde e da gastronomia local para conter a sedução publicitária das marcas de alimentos processados.

 

Carnaval de Gallipoli, na Itália, valoriza tradições da época do Império Romano

Protestos fascistas e influência de Berlusconi marcam campanha eleitoral na Itália

Olimpíadas de Pyeongchang podem ser "os jogos da paz" entre as duas Coreias?

Eleitores vão às urnas para votar versão equatoriana do “Ficha Limpa”

Pedido de vista no julgamento de Lula seria um balde de água fria na militância