rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

ONU Síria Fome

Publicado em • Modificado em

ONU condena fome como tática de guerra na Síria

media
Esta imagem do dia 21/10/17 mostra um bebê nascido em um subúrbio de Damasco, com malnutrição extrema. Amer ALMOHIBANY / AFP

A ONU condenou nesta sexta-feira (27) a "deliberada privação de alimentos a civis" como tática de guerra, depois da publicação de fotos "consternadoras" de crianças esqueléticas em uma região perto de Damasco, controlada pelos rebeldes e sitiada pelo exército sírio.


O Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, declarou em um comunicado que as fotos são uma "indicação aterradora do sofrimento da população de Ghuta oriental", uma região próxima à capital síria sitiada desde 2013.

Em 21 de outubro, a AFP publicou uma foto de uma recém-nascida de apenas um mês em estado esquelético, que faleceu poucos dias depois em uma clínica da cidade de Hamuria, controlada pelos rebeldes.

"A deliberada privação de alimentos a civis como método de guerra constitui uma clara violação de direito humanitário internacional", advertiu Zeid. Cerca de 400 mil pessoas vivem em Ghuta oriental, onde a ajuda humanitária chega a conta-gotas.

Comida no mercado negro

A escassez de alimentos e medicamentos foi agravada e quando há, por contrabando, são vendidos a preços inacessíveis. A Unicef advertiu que cerca de 1.000 crianças sofrem de desnutrição aguda.

Desde julho, Ghuta é uma das quatro zonas de desescalada instauradas na Síria com a finalidade de chegar a um cessar-fogo no país.

O último comboio humanitário para essa localidade chegou no final de setembro. Transportava alimentos e ajuda médica para aproximadamente 25 mil pessoas.

Zeid ressaltou sua "indignação" pelo sofrimento dos civis e criticou os grupos armados rebeldes na região por perturbar o trabalho das organizações humanitárias.

Antes uma região agrícola fértil, Ghuta oriental foi destruída por anos de combates. Ataques aéreos e artilharia pesada do regime dizimaram casas e prédios, enquanto ruas inteiras ficaram inabitáveis. As infraestruturas de base não foram poupadas: a eletricidade só é possível graças a geradores e a água, raramente potável, é frequente vetor de doenças.