rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Irã Estados Unidos Nuclear Alemanha Reino Unido

Publicado em • Modificado em

Irã vai manter programa de mísseis balísticos

media
O presidente iraniano Hassan Rohani REUTERS/Stephanie Keith

O Irã vai manter seu programa de armas balísticas '"o tempo que for necessário", declarou neste domingo (29) o presidente iraniano Hassan Rohani, em resposta às novas sanções que devem ser adotadas pelo Congresso americano contra o país.


“Para defender nossa nação e nossa integridade territorial, construiremos todas as armas que precisamos”, disse Rohani durante um discurso no Parlamento, transmitido pela TV estatal. “Isso não viola nenhuma regra internacional e não fere a resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU”, declarou o presidente.

Adotado em 2015, o texto ratifica o acordo sobre o programa nuclear iraniano concluído entre o país e o chamado Grupo dos Seis, formado pela Alemanha, a China, os Estados Unidos, a França, o Reino Unido e a Rússia.

Para EUA, Irã fere resolução

O acordo determina o fim das sanções econômicas impostas pela ONU e os países ocidentais contra o Irã, por conta de seu programa armamentista. Em troca, os iranianos se comprometem a não construir uma arma nuclear. A resolução também estabelece que, durante oito anos, o Irã não pode fabricar mísseis balísticos capazes de transportar armas atômicas.

Apesar desse compromisso, o Irã tem realizado vários tiros de mísseis, mas afirma que os artefatos não foram produzidos para carregar armas nucleares. Uma interpretação contestada pelos membros do Grupo dos Seis, principalmente a França e os Estados Unidos.

No dia 26 de outubro, a Câmara de Representantes americana adotou em primeira leitura um projeto de lei que visa impor sanções contra organismos do governo iraniano, envolvidos no desenvolvimento do programa balístico do país. O presidente americano, Donald Trump, ameaçou retirar os EUA do acordo nuclear a qualquer momento.

Para Teerã, as novas sanções e as declarações de Trump constituem uma violação do acordo de 2015. O governo iraniano acusa a administração americana de ser “responsável pela insegurança no Oriente Médio”.