rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Demissão de premiê libanês é recado da Arábia Saudita para região

Por Alfredo Valladão

A situação é absolutamente inédita. Um estado soberano, membro importante da comunidade internacional, obrigou um primeiro-ministro de outro estado soberano – que estava de visita – a pedir demissão do cargo, ao vivo, na televisão do país hóspede. Esse disparate foi o que aconteceu quando o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohamed Bin Salman, torceu o braço do primeiro-ministro do Líbano, Saad Hariri. Benvindos ao chamado “Oriente complicado”!

Hoje, Salman é quem manda no reino vaabita. O jovem príncipe é tão poderoso que nos últimos dias mandou prender e expropriar dezenas de outros príncipes, ministros e homens de negócio, sob pretexto de lutar contra a corrupção. Pretexto que tira do caminho potenciais rivais, todos engaiolados num hotel de luxo em Riad. Quanto à renúncia do líder libanês, ela é claramente uma iniciativa do Estado saudita.

Na leitura monocórdica de seu pedido de demissão, Saad Hariri denunciou diretamente a presença tentacular do Irã e seus aliados xiitas do Hezbollah libanês, não só no Líbano mas também no Oriente-Médio em geral, particularmente na Síria e no Iraque. Esse avanço da República islâmica iraniana na região representa um pesadelo intolerável para o regime saudita.

Regime saudita encurralado pelo inimigo

A região do Golfo sempre viveu com essa rivalidade permanente entre os dois países. Um confronto geopolítico clássico, acirrado por um velho conflito religioso: xiismo contra sunismo. Mas o tempo começou a fechar seriamente quando foi descoberto o programa nuclear iraniano.

Um Irã, dono da bomba atômica e de uma verdadeira capacidade de produzir mísseis balísticos, poderia dispor de um sério guarda-chuva estratégico. Sem medo de represálias diretas, Teerã poderia continuar tranquilamente a consolidar a sua vasta rede de apoios e sua presença militar permanente, da costa libanesa à fronteira com o Iraque. Basta utilizar a sua tropa de elite – a Guarda Revolucionária – e seus aliados regionais – os poderosos contingentes militares do Hezbollah, as milícias xiitas iraquianas e o que sobra do exército sírio de Bashar El-Assad. O regime saudita só pode é se sentir encurralado pelo  inimigo de sempre.

O acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano congelou as ambições atômicas do Iran por alguns anos, sem mexer na questão dos mísseis balísticos. Só que agora chegou a hora da onça beber água. A guerra convencional contra o grupo terrorista “Estado Islâmico” está chegando ao fim.

Todo mundo está preocupado com o que vem depois. O governo de Damasco não tem condições de controlar todo o território nacional. Para sobreviver, vai continuar dependendo inteiramente da aviação russa e dos combatentes do Irã e do Hezbollah.

Estratégia iraniana para consolidar influência

Os iranianos estão aproveitando a situação para instalar um poderoso corredor militar permanente no sul da Síria, com vistas a consolidar o seu poder na região e continuar abastecendo a milícia xiita libanesa.

Uma perspectiva inaceitável para os sauditas. E não só: Israel também não está a fim de tolerar uma presença do inimigo figadal iraniano na sua fronteira norte. E já declarou que seu objetivo é acabar com a influência militar iraniana na região – o Estado judeu já bombardeou várias vezes as rotas de abastecimento do Irã para o Hezbollah, e vai perseverar.

Donald Trump declarou que não “certifica” mais o acordo nuclear e denuncia as manobras de Teerã. Um eixo informal Arábia Saudita-Israel-Estados Unidos está aparecendo contra o eixo Irã-Rússia na Síria. Criar uma grave crise política em Beirute com a demissão de Saad Hariri é jogar o Líbano na fogueira. O príncipe Salman quis dar um recado: o próximo campo de batalha entre os países sunitas do Golfo e o Irã xiita será o Líbano e o sul da Síria.

De duas uma. Ou bem a ameaça de um novo conflito, bem mais perigoso do que a luta contra Daesh, pode induzir os russos a convencer o Irã de que vai ter que voltar para a casa. Ou então, não há dúvida de que vem mais bala por aí!

Fake news: entre censura e controle da veracidade os inimigos da democracia navegam com facilidade

Ao mexer com Jerusalém, Trump brincou com fogo num paiol de de fervores espirituais

Separatismos são motivados pela desconfiança das populações nos governos centrais

Histerias nacionalistas como a da Catalunha revelam desconfiança em governos nacionais

Partidos extremistas na Alemanha são mais fracos que nos países vizinhos

Rússia desafia OTAN com um dos maiores exercícios bélicos desde o fim da Guerra Fria