rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Sanções EUA Coreia do Norte

Publicado em • Modificado em

EUA adotam novas sanções contra Coreia do Norte e empresas chinesas

media
O secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, numa coletiva de imprensa na Casa Branca em 25 de agosto de 2017 REUTERS/Yuri Gripas

Os Estados Unidos anunciaram, nesta terça-feira (21), novas sanções econômicas contra 13 empresas e entidades da Coreia do Norte e chinesas que fazem negócios com Pyongyang.


O anúncio do Departamento de Tesouro foi feito um dia depois de Washington incluir a Coreia do Norte em sua lista de países patrocinadores do terrorismo e alertar para medidas contra seu programa nuclear.

As sanções aprovadas nesta terça-feira estão focadas principalmente contra empresas "que fazem negócios com a Coreia do Norte por montantes acumulados que alcançam centenas de milhões de dólares", anunciou o secretário de Tesouro, Steve Mnuchin, em um comunicado.

"Também sancionamos empresas de transporte, bem como seus navios, que facilitam o comércio da Coreia do Norte com suas manobras enganosas", acrescentou.

Estão na lista quatro companhias chinesas, bem como o proprietário, também chinês, de uma delas.

São a Dandong Kehua Economy & Trade Cia Ltda, a Dandong Xianghe Trading Cia Ltda e a Dandong Hongda Trade Cia Ltda, especializadas em importação e exportação de laptops e minerais, e Sun Sidong e sua empresa Dandong Dongyuan Industrial Cia Ltda, que exportaria à Coreia do Norte, entre outros, veículos a motor e "artigos associados a reatores nucleares", segundo o Tesouro.

O presidente Donald Trump anunciou nesta segunda-feira (20) a inclusão da Coreia do Norte na lista de países que patrocinam o terrorismo, um novo passo para fortalecer o isolamento internacional do governo de Pyongyang.

A inclusão da Coreia do Norte na polêmica lista dos EUA representa a adoção de novas sanções em "apoio à nossa campanha de pressão máxima para isolar esse regime assassino", afirmou o presidente.

(Com informações da AFP)