rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Coreia do Norte Estados Unidos Míssil Nuclear Sanções Donald Trump Kim Jong-Un

Publicado em • Modificado em

Coreia do Norte lança novo míssil após sanções dos EUA

media
Líder norte-coreano Kim Jong-Un inspeciona exercícios de artilharia em 25 de abril de 2017. KCNA/File Photo via REUTERS

A Coreia do Norte lançou um novo míssil balístico nesta terça-feira (28), segundo anunciaram oficiais militares sul-coreanos, no que teria sido o primeiro lançamento em mais de dois meses após Washington aplicar novas sanções ao país, e declará-lo "patrocinador do terrorismo".


O míssil voou a leste da província de Pyongyang Sul, segundo informações do Estado-Maior Conjunto (JCS, na sigla em inglês). O Pentágono declarou nesta terça-feira que detectou um "provável lançamento de míssil" saído da Coreia do Norte.

O presidente norte-americano, Donald Trump, foi informado sobre o teste enquanto o míssil ainda estava no ar, declarou a Casa Branca. Trump estava visitando o Congresso no momento do lançamento e "foi informado, enquanto o míssil ainda estava no ar, sobre a situação na Coreia do Norte", segundo a secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders.

Os militares sul-coreanos organizaram um exercício de "ataque preciso" de mísseis como resposta, segundo noticiou a agência de notícias Yonhap, também citando o JCS. O ministro da Unificação de Seul disse também nesta terça-feira ter detectado sinais de atividades incomuns na Coreia do Norte, sugerindo um possível teste de mísseis.

Alerta internacional

A Coreia do Norte provocou alerta internacional sobre seu programa de mísseis nucleares, condenado pela ONU, mas não realizava um teste deste tipo desde 15 de setembro de 2017, aumentando a esperança de que as sanções aplicadas pelos Estados Unidos tivessem causado algum impacto.

O governo Trump anunciou na semana passada novas sanções aos navios norte-coreanos, aumentando a pressão sobre Pyongyang para abandonar seu programa de armas atômicas.

Pyongyang, no entanto, condenou a ação como uma "provocação séria", advertindo que as sanções nunca dariam resultado.

Em setembro de 2017, a Coreia do Norte realizou seu sexto e mais poderoso teste nuclear e preparou um lançamento de mísseis de alcance intermediário sobre o Japão.