rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

China tem portas abertas e bons salários para designers ocidentais, conta brasileiro

No imenso prédio da Amazon em Pequim, mal se veem rostos ocidentais. Na hora do almoço, os funcionários que deixam seus postos de trabalho, correm para comer qualquer coisa nos prédios vizinhos para não perder parte das pelo menos 48 horas semanais que precisam cumprir por lei na China - entre eles, o designer gráfico brasileiro Luciano Drehmer, de 33 anos.

Vivian Oswald, correspondente da RFI em Pequim

Ele se mudou para a capital chinesa há três meses, depois de ser chamado para a Amazon China enquanto ainda trabalhava na também chinesa Joyojoyo, baseada em Shenzhen, a cidade que virou hub de empresas de tecnologia da China. Lá, ele escolhia os produtos que seriam vendidos à Amazon nos Estados Unidos e dar a eles uma cara mais atraente. Tinha de tudo: de drones a suplementos esportivos, passando sex toys. Fazia as embalagens, mudava a sua apresentação e pedia alterações nos produtos para torná-los adequados aos consumidores. Seu foco nesta empresa chinesa era o público americano.

Hoje, na Amazon China, é um dos responsáveis por mudar a cara do site da gigante americana - que, em solo chinês, tem apenas cerca de 1% do mercado. A ideia é transformar o visual do site para torná-lo mais ocidental, transmitir confiança ao consumidor, sem perder as características chinesas. No país, os sites de compras costumam ter mais informações e muitas cores.

"O maior desafio que eu vejo é entender as nuances e diferenças culturais, quando você está se comunicando para um público como esse. O designer é um comunicador. Vários símbolos e significados de cores, formas, expressões, podem ser entendidos de maneiras diferentes na China", diz.

Maior desafio: diferenças culturais

Drehmer cita exemplos de situações que podem acabar levando a curto-circuitos culturais. "A cor preta pode soar fúnebre. É preciso tomar cuidado, pode soar bem negativa para eles. Uma outra coisa é que o "x" para nós pode ter conotação negativa, o "x" é errado. Mas, para eles, demonstra união – enquanto, para a gente, é confronto”, conta.

Nascido em Goiânia, Drehmer deixou o Brasil há pouco mais de um ano para se lançar em uma aventura asiática. O mercado para designers gráficos é dinâmico, valoriza os profissionais ocidentais e paga bem. As empresas querem mais do que nunca marcar sua posição no mercado global e, para isso, buscam desenvolver um padrão internacional e investir em design.

"Eu vim parar na China porque eu me mudei para a Tailândia e, lá, tem uma comunidade grande de nômades digitais, de empreendedores, pessoas que estão buscando novas maneiras de trabalhar. Fiz networking como gente do mundo inteiro”, afirma.

Profissionais ocidentais valorizados

Segundo ele, a China oferece um excelente mercado, jovem, que ainda está amadurecendo. O goiano nota que o mercado de design no Brasil é mais maduro que do o chinês – mas o país asiático tem muito mais recursos do que o Brasil. “O designer na China se torna uma ferramenta muito interessante para as empresas crescerem. O designer ocidental com o pensamento tradicional é excepcional, eles dão muito valor, pagam bons salários."

Drehmer trabalha numa equipe de oito pessoas, das quais apenas duas falam inglês. As reuniões das quais participa são em chinês. Nada está adaptado para ele, mas o desafio não parece assustá-lo.

O brasileiro fez as campanhas da Amazon para a Black Friday chinesa, o dia que mais se vende no mundo. Se a americana tem um percentual pequeno do mercado, a ideia é aumentá-lo martelando a ideia da garantia dos produtos de alto nível e da confiança, algo que nem todo site chinês oferece ao consumidor. A Amazon se esforça para expurgar as companhias que não se comportam bem ou tentam vender produtos de má qualidade aos clientes.

"Para quem está interessado em começar uma carreira internacional, a China é ótima. Eu vejo a China como o lugar mais conectado ao resto do mundo do que o Brasil. Aqui você vai ter a oportunidade de trabalhar para empresas globais e poder trabalhar para o mundo todo", afirma. "As diferenças culturais e a adaptação mais difícil te tornam preparado para qualquer lugar do mundo depois. Uma pessoa que vai para a China, que está disposta a lidar com todas as barreiras vai ter capacidade para trabalhar em qualquer lugar depois", resume.

 

Brasileiro assume direção científica do maior jardim botânico do mundo, em Londres

Bailarina brasileira cria plataforma de empoderamento feminino em Nova York

Livro e exposição em Berlim contam história de judeu que se refugiou no Brasil fugindo do nazismo

Brasileiro cria projeto de moradia alternativo e divide casa com imigrantes africanos em Roma

Primeiro diretor negro de teatro público em Berlim, brasileiro propõe perspectiva de “pós-migração”

Brasileira propõe serviço de fotografia profissional para turistas do mundo todo

Associação de mulheres brasileiras luta contra ação de despejo da prefeita de Roma

Leila Daianis fala sobre seu trabalho de defesa das transexuais brasileiras em Roma

Brasileira que vive há mais de 30 anos na Arábia Saudita fala sobre conquistas das mulheres e diferenças culturais

Brasileiros que vivem em Portugal avaliam governo de esquerda, conhecido como “geringonça”

Em Los Angeles, Rafinha Bastos quer dominar a arte da comédia em inglês

Depois de palhaço e trapezista, brasileiro vira piloto de globo da morte em Dubai

Antônio Fagundes volta aos palcos portugueses com a comédia “Baixa Terapia”

Brasileiros que querem se mudar para Israel esperam resultado das eleições para tomar a decisão

Jovem cientista brasileira ajuda a criar plataforma mundial sobre alimentação