rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Hamas faz apelo por "dia de sangue" na Palestina

Por RFI

A expectativa é grande nesta sexta-feira (22) em Israel e nos territórios palestinos depois da votação da quinta-feira (21) nas Nações Unidas na qual foi aprovada uma resolução condenando o reconhecimento pelos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel.

Daniela Kresh, correspondente da RFI em Israel

A expectativa é de que esta seja uma sexta-feira (22) de protestos de palestinos na Cisjordânia, em Jerusalém Oriental e na Faixa de Gaza. O líder do grupo islâmico Hamas em Gaza, Yahya Sinwar, declarou, em rara aparição na televisão palestina, que será um “Dia de sangue”, ou seja, um dia no qual todos os palestinos devem sair às ruas e pegar em armas contra Israel.

As sextas-feiras são feriados entre os palestinos, como se fossem domingos no Brasil. Escolas e repartições públicas não abrem, por exemplo. Então, é o dia da semana quando há mais protestos, sempre depois das orações da hora do almoço ou um pouco depois.

Há duas semanas, depois do reconhecimento norte-americano de Jerusalém como capital de Israel, houve uma sexta-feira de protestos e alguns confrontos entre manifestantes palestinos e forças de segurança israelenses. Na semana passada, o clima foi bem mais calmo. Mas, ao que parece, os ânimos podem voltar a ferver nesta sexta-feira.

Estopim

O estopim da violência foi a votação desta quinta-feira (21) nas Nações Unidas, em Nova York, na qual 128 países, incluindo o Brasil, condenaram o reconhecimento de Jerusalém pelo governo Donald Trump, que prometeu transferir a embaixada norte-americana de Tel Aviv para a cidade. 35 países se abstiveram e só 9 votaram contra a moção, entre eles, claro, os Estados Unidos e Israel. 21 países não estiveram presentes.

A embaixadora norte-americana na ONU, Nikki Hailey, afirmou que “os Estados Unidos vão lembrar deste dia em que foram discriminados pela Assembleia Geral pelo simples ato de exercer o direito de escolher onde quer colocar sua embaixada”. E garantiu que a embaixada vai ser transferida, não importa o que diga a ONU.

Nos últimos dias, o presidente Trump e a própria embaixadora tentaram pressionar certos países-membros da ONU a rejeitar a moção, afirmando que os Estados Unidos cortaria a ajuda financeira a eles e também à própria ONU. Mas não deu certo. A resolução foi aprovada por dois terços dos países-membros.

Reação de palestinos e de Israel

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que seu país “rejeita completamente” o que chamou de “resolução absurda”. Ele afirmou que Jerusalém é, sempre foi e sempre será a capital de Israel.

Netanyahu tentou ver o lado bom, afirmando que, pela primeira vez, um grande número de países, 35, não vou contra Israel e sim se absteve. Entre eles, alguns países europeus, a Austrália, o Canadá e países latinoamericanos como México e Argentina, que costumavam sempre votar com o bloco de países árabes contra qualquer resolução anti-Israel.

Para Netanyahu, isso foi uma vitória – fruto de esforços diplomáticos intensos. O governo dele até se alegrou porque 21 países não foram à votação, então, na verdade, 65 membros não compactuaram com a moção.

Mas a verdade é que quem ganhou mesmo foram os palestinos, que novamente tiveram sua posição corroborada pela ONU – apesar de que, se Jerusalém não é capital de Israel, também não deveria ser da Palestina, como querem os palestinos.

Pelo plano de Partilha da Palestina aprovado pela ONU há 70 anos, Jerusalém deveria ser uma cidade internacionalizada. Quer dizer: não deveria ser capital nem do Estado dos judeus, nem do Estado dos árabes na região. O porta-voz do presidente palestina Mahmoud Abbás, Nabil Abu Rudeina, no entanto, disse que seu povo continuará seus esforços em fóruns internacionais até estabelecer um Estado palestino com Jerusalém Oriental como sua capital.

Detalhes à parte, trata-se de uma clara vitória diplomática palestina, mesmo que, na realidade, não mude nada, na prática, no dia a dia de Jerusalém.

Vésperas de Natal na "Terra Santa"

Tudo isso acontece dias antes do Natal na Terra Santa, quando centenas de milhares de turistas visitam em massa as cidades bíblicas de Jerusalém e Belém. Neste dezembro, há 20% a mais de turistas em Israel na comparação com o ano passado, segundo dados do Ministério do Turismo local.

O turismo na "Terra Santa" sempre sofre em momentos de tensão por aqui. No Natal de 2014, houve um grande percentual de cancelamentos de grupos por causa do conflito que aconteceu entre Israel e o Hamas alguns meses antes.

No ano seguinte, em 2015, também houve certa queda por causa de uma onda de ataques terroristas contra israelenses pelo país. Mas, em 2016, o turismo voltou com força total e, este ano, bateu todos os recordes históricos.

Ao que tudo indica, a tensão gerada pelo anúncio de Trump quanto a Jerusalém não conseguiu murchar este Natal na "Terra Santa".
 

Eleições na Turquia: quem são os cinco candidatos que vão enfrentar Erdogan?

Permissão para mulheres sauditas dirigirem pode impulsionar indústria automotiva

Argentina usará parte do empréstimo do FMI para conter escalada do dólar

Trump prefere jogar culpa nos democratas a assumir ônus da separação dos menores e seus pais

Candidato mais cotado à presidência da Colômbia coloca em risco acordo com as Farc

Londres: um ano após incêndio na Torre Grenfell, 68 famílias seguem sem moradia

Trump vai convencer Kim Jong-Un a abandonar o programa nuclear da Coreia do Norte?

Pipas incendiárias lançadas de Gaza destroem 20 km de plantações em Israel

Após queda de premiê, população mantém protestos na Jordânia contra austeridade

Restrições a importações de carros pode gerar guerra comercial entre Alemanha e EUA

Espanha: governo de Sánchez terá extrema-esquerda e partidos pró-independência

Governo de Rajoy é derrubado por moção de censura no Parlamento da Espanha

Veto contra lei da eutanásia em Portugal: nenhum partido quis pagar o ônus político de uma legalização

Itália: eleitores desaprovam rejeição do voto popular em escolha de chefe de governo

Espanha: um dos maiores casos de corrupção da Europa pode afastar Rajoy