rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Como o mundo comemora a passagem do ano?

Por Patricia Moribe

Vestir-se de branco e pular sete ondinhas à meia noite? Aparentemente esse costume se restringe apenas aos brasileiros. Para dar uma ideia da diversidade de rituais de passagem de ano, a revista semanal do jornal econômico Les Echos fez uma seleção ao redor do mundo.

Os moradores do hemisfério norte não temem o frio e nem poderiam. Muitos países praticam o mergulho em águas geladas no primeiro dia do ano. Les Echos traz como exemplo uma tradição canadense que começou no lago Ontario nos anos 1920, o “polar bear swim”, ou seja, o nado do urso polar. Perfeito, segundo o artigo, para despertar, acabar com a ressaca ou se preparar para os desafios futuros.

 

Já os espanhóis precisam comer uma uva a cada badalada do novo ano. A maioria gosta de fazer isso em público, como na Puerta del Sol, em Madri, que fica apinhada de uvas e de gente no réveillon. Parece simples, mas muitos treinam antes da hora “H”. E ai de quem se engasgar, pois é azar para todo o ano que chega. A origem da festa nem é tão histórica ou romântica, mas puramente comercial, pois foi uma estratégia de vinicultores de Alicante para escoar o excedente da safra de 1909.

 

Os chineses, conta Les Echos, vão comemorar a passagem do ano um pouco mais tarde, em 16 de fevereiro de 2018. O costume local, datando da dinastia Qin, do século III a.C., preconiza a troca de envelopes vermelhos contendo dinheiro. O objetivo é espantar espíritos maus que podem deixar crianças doentes. Em tempos cibernéticos, milhões de envelopes são hoje enviados e recebidos via WeChat, um aplicativo bastante popular no país.

Amor escarlate

Os italianos provam que são românticos desde sempre. A tradição manda que toda a roupa íntima, seja calcinha, sutiã ou cueca, seja em cor vermelha na última noite do ano. É garantia de sorte no amor, isso desde a Antiguidade romana. Outra condição é a de seguir o provérbio “Chi non fa l’amore a capodanno, non fa l’amore tutto l’anno”. Tradução: quem não fizer amor no começo do ano, não vai fazer amor o resto do ano. Portanto, o interesse é grande em seguir as regras e, muito importante, jogar fora a roupa íntima escarlate pela manhã. Os mais pudicos, ou as comemorações em família, podem se contentar com um prato de lentilhas com salsicha, o cotechino. As lentilhas simbolizam moedas, ou seja, quanto mais se come, mais prosperidade se alcança.

Na Alemanha, as resoluções, os sonhos e esperanças se traduzem por meio de fogos de artificio assim que o novo ano entra em vigor, um costume herdado da Idade Média. Muito barulho, muitas luzes e muita fumaça para comemorar a data em todo o país. Infelizmente, os serviços de pronto-socorro também ficam sobrecarregados no primeiro dia de janeiro com os casos de queimaduras de todos os graus.

O Japão é do time que preza uma tradição gastronômica que data da era Heian (793-1185). O “mochi” é um bolinho de arroz que envolve uma longa preparação, que faz parte da festa: o arroz especial é cozido e depois sovado com pilões de madeira gigantes. A massa viscosa é transformada em bolotas, que podem ser acrescentadas a sopas ou grelhadas. Os japoneses consomem cerca de 1kg de mochi ao ano, principalmente no começo de janeiro.

 

 

Filme sobre Edir Macedo ilustra poder dos evangélicos no Brasil, diz Le Monde

Juiz uzbeque que criou confusão no Brasil é recordista de arbitragem na Copa

Finlândia tenta resolver crise de moradia oferecendo casa para os sem-teto

Nobel de Economia francês adverte contra discursos ultraconservadores distantes do interesse coletivo

Revista lembra laços com o Brasil de vítima de crime antissemita na França

Revista detalha prestação de contas confusa na campanha presidencial de Mélenchon

Jornalista e legista franceses desvendam mistérios sobre a morte de Hitler

Com caça aos clandestinos, Trump destroi o American Dream, diz revista francesa

Teatro e dança levam clube de futebol da Suécia da quarta para primeira divisão

Revista conta como Instagram, aplicativo criado por brasileiro, conquistou o mundo