rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Dirigentes palestinos pedem suspensão do reconhecimento de Israel

Em reunião em Ramallah, na Cisjordânia, o Conselho Central da Organização para Libertação da Palestina (OLP) – que controla o governo palestino por meio do partido Fatah – recomendou a suspensão do reconhecimento do Estado de Israel até que o país volte atrás na anexação do lado oriental de Jerusalém e o fim da coordenação de segurança com Israel.

Daniela Kresch, correspondente em Tel Aviv

O Conselho Central da OLP aprovou nesta segunda-feira (15) uma resolução pedindo o fim da coordenação de segurança entre palestinos e israelenses, uma medida essencial entre as forças de segurança dos dois lados para evitar a violência regional.

A decisão incluiu também o anúncio de que todos os compromissos relativos aos Acordos de Oslo, de 1994, "não existem mais" e a suspensão do reconhecimento do Estado de Israel até que o país volte atrás na anexação do lado oriental de Jerusalém, acabe com assentamentos judaicos na Cisjordânia e reconheça a criação de um Estado palestino com Jerusalém Oriental como capital.

A questão, agora, é se o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, vai colocar essas decisões em prática ou vai ignorá-las, como fez, por exemplo, em 2015, quando moções similares foram adotadas pela OLP.

As decisões, que pioram sensivelmente o relacionamento entre palestinos e israelenses, foram anunciadas um dia depois de Abbas fazer um discurso veemente e polêmico contra os governo de Israel e dos Estados Unidos. Em duas horas de fala, no domingo, Abbas afirmou que Israel “matou” os Acordos de Oslo, que estabeleceram a Autoridade Palestina e servem de base para negociações futuras sobre a criação de um Estado palestino independente. Ele disse que a Autoridade Palestina é, hoje, uma “entidade sem autoridade”.

Abbas atacou duramente o presidente americano, Donald Trump, por ter anunciado que reconhece Jerusalém como capital de Israel e disse que não vai cooperar com nenhuma iniciativa de paz sugerida por seu governo. Ele afirmou que “o negócio do século” – como Trump havia apelidado seu plano de paz definitivo para a região – se tornou “o tapa do século”.

Discurso sem papas na língua de Abbas causa impacto em Israel

O discurso do líder palestino foi manchete em todos os jornais de Israel pelo conteúdo e também pela forma. Usando gírias e expressões menos diplomáticas, Abbas afirmou que “Israel é um projeto colonialista que não tem nada a ver com o judaísmo”.

Ele também disse que os judeus nunca quiseram imigrar para a Palestina – como a região era chamada na época do Mandato Britânco, de 1920 a 1948. Deu a entender que os judeus europeus preferiram sofrer “assassinatos e mortes” no Holocausto a imigrar para a região, bem como os judeus de países como Iêmen e Iraque, os quais teriam sido “importados” contra sua vontade pelos líderes do movimento sionista.

Os israelenses tratam essa narrativa palestina como uma "teoria conspiratória" absurda diante do fato de que a moderna imigração judaica para a região que os judeus consideram seu lar ancestal começou no final do século 19, antes mesmo do Holocausto e da criação do sionismo – o movimento de autodeterminação do povo judeu. Na verdade, 600 mil judeus – um terço da população local – já viviam na região quando o Estado de Israel foi criado.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que está em visita à Índia, disse que Abbas revelou sua “sua face verdadeira”. Para Netanyahu, a raíz do conflito é o fato de que os palestinos “se recusam a reconhecer o Estado Judeu em quaisquer fronteiras” e que, a partir de agora, ficará mais fácil explicar à comunidade internacional por que não há perspectiva de paz com a atual liderança palestina.

Já o presidente de Israel, Reuven Rivlin, acusou Abbas de fortalecer teorias que já tinha defendido anteriormente, como dizer que Israel é uma conspiração do Ocidente para dominar terras árabes. No passado, Abbas foi taxado de negador do Holocausto e antissemita ao defender, em sua tese de doutorado, que a liderança sionista colaborou com o nazismo para aumentar a imigração judaica para a Palestina.

Abbas toma distância, mas não rompe todos os laços com Israel

Aos 82 anos de idade e 13 anos no poder como presidente palestino, Abbas parece ter definitivamente deixado a diplomacia para trás para falar o que pensa sem papas na língua. Ele estaria cansado diante do fracasso de seu governo em fechar um acordo com Israel, principalmente depois das claras demonstrações de Trump favoráveis a Israel.

Apesar disso, Abbas não anunciou o fim de seu apoio à ideia de “dois Estados para dois povos” – projeto previsto há 24 anos pelos Acordos de Oslo para a criação de um Estado Palestino vivendo em paz ao lado do Estado de Israel.

Nos últimos anos, diante do impasse nas negociações de paz, muita gente – dos dois lados – parou de acreditar nessa opção. No entanto, Abbas não afirmou com todas as letras que é contra a ideia de dois Estados. Ele também se disse comprometido com a resistência não violenta contra Israel e não sugeriu, por exemplo, que os palestinos partissem para uma nova intifada – uma revolta violenta. Para muitos analistas, são sinais de que Abbas ainda não decidiu cortar totalmente relações com Israel.

Carnaval de Gallipoli, na Itália, valoriza tradições da época do Império Romano

Protestos fascistas e influência de Berlusconi marcam campanha eleitoral na Itália

Olimpíadas de Pyeongchang podem ser "os jogos da paz" entre as duas Coreias?

Eleitores vão às urnas para votar versão equatoriana do “Ficha Limpa”

Pedido de vista no julgamento de Lula seria um balde de água fria na militância