rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Vazamento de petroleiro na China já cobre 300km quadrados

Por RFI

A China tenta conter um vazamento de combustível no mar com potencial para ser o maior desastre ambiental envolvendo um petroleiro em décadas. A área contaminada triplicou de tamanho na última semana e já cobre mais de 300km quadrados no Mar da China Oriental.

Luiza Duarte, correspondente da RFI em Hong Kong

No dia 6 de janeiro, o petroleiro iraniano Sanchi colidiu com uma embarcação de Hong Kong que transportava grãos, provocando um incêndio. Os tripulantes do navio chinês foram resgatados, mas as 32 pessoas a bordo do Sanchi morreram. A China enviou navios para o trabalho de resgate, mas apenas 3 corpos foram encontrados.

Desde então, equipes chinesas tentam conter o derramamento de óleo a cerca de 300km da costa de Xangai. O Ministério das Relações Exteriores do país diz que a operação de limpeza está sendo tratada como prioridade. Até agora, não se sabe quanto de óleo vazou da embarcação.

Após dias em chamas, o Sanchi foi sendo arrastado pelas correntes marítimas para um ponto mais ao sul no Mar da China Oriental e naufragou na última semana. Estima-se que ele esteja a 115 m de profundidade.

A causa da colisão ainda é desconhecida. Mergulhadores chinesas encontram a caixa preta do navio e uma investigação está em curso.

O petroleiro de 274m de comprimento tinha registro do Panamá. Ele seguia para a Coreia do Sul levando quase 1 milhão de barris de condensado, um tipo de petróleo ultraleve, mais difícil de ser separado da água, altamente inflamável e tóxico. O produto é diferente do petróleo bruto, que pode ser recolhido na superfície da água.

Impacto

O escritório do Greenpeace na China diz que é impossível avaliar a magnitude do vazamento, já que os números não estão disponíveis e, por isso, não é possível dizer qual o tamanho do impacto no meio ambiente.

A ONG informou que por enquanto não tem nenhum ativista no local do acidente e está usando dados fornecidos pelas autoridades chinesas e imagens de satélite para avaliar os danos ambientais. A área, ao norte de Taiwan, já sofre com o trânsito intenso de embarcações e com a pesca predatória. A zona contaminada está dentro da rota de migração de baleias. Com o naufrágio, o fundo do mar também deve ser contaminado, gerando um impacto de longo prazo no ecossistema.

Segundo o último relatório divulgado pelas autoridades chinesas, os danos provocados pelo petroleiro podem ser muito maiores. Foram detectadas novas manchas no mar cobrindo uma área de mais de 300km quadrados. Há indícios ainda do vazamento de outro tipo de combustível tóxico para a vida marinha. Um óleo pesado usado no motor de navios.

Considerando que as 136 mil toneladas de condensado que estavam no Sanchi acabem no mar, isso representaria três vezes mais do que o vazamento provocado pelo navio Exxon Valdez em 1989, no Alasca, visto como um dos maiores desastres ambientais do mundo. O Sanchi é provavelmente o maior vazamento desde que 260 mil toneladas de óleo contaminaram a costa de Angola, em 1991. As autoridades chinesas garantem que boa parte do combustível do Sanchi queimou, o que reduziria o dano marinho.

Proibição do véu islâmico integral gera onda de protestos na Dinamarca

Destino preferido dos brasileiros na Europa, Portugal vive bolha imobiliária

Evo Morales inaugura nova sede de governo criticada pelo custo milionário

Itália: estudo mostra que população tem ideias equivocadas sobre imigrantes

Incêndios na Suécia atingem área equivalente a 35.700 campos de futebol

Presidente do Equador visita Reino Unido em meio a boatos sobre entrega de Assange aos britânicos

Refugiado deportado por engano expõe falha em política migratória da Alemanha