rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Rússia EUA Vladimir Putin Oposição Eleição

Publicado em • Modificado em

EUA condenam perseguição à oposição na Rússia

media
Alexei Navalny em 24 de janeiro de 2018 em Estrasburgo REUTERS/Vincent Kessler

Os Estados Unidos exortaram o Kremlin, nesta segunda-feira (29), a permitir que a oposição da Rússia compareça às eleições presidenciais de março deste ano em termos justos e criticou uma repressão contra manifestantes pacíficos.


"Os Estados Unidos estão preocupados com os esforços das autoridades russas para reprimir a oposição política", disse a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert.

"Líderes políticos confiantes não temem vozes concorrentes, nem veem a necessidade de abusar das autoridades legais para evitar protestos pacíficos e deter os opositores políticos".

O comunicado ocorreu em decorrência da breve detenção do político da oposição Alexei Navalny, no domingo, depois que milhares se reuniram contra uma eleição que espera prolongar o mandato de Vladimir Putin.

E aconteceu que Washington deveria anunciar uma nova série de sanções visando alguns dos líderes empresariais mais ricos da Rússia por seus supostos vínculos com o círculo interno de Putin.

"O povo russo, como qualquer outra pessoa, merece um governo que apoie a competição aberta entre ideias, governança transparente e a oportunidade de exercer os direitos de alguém sem medo de repressão", disse Nauert.

"Instamos o governo russo a proporcionar condições equitativas para todos os partidos políticos que procuram competir no processo eleitoral", acrescentou.

A oposição russa, incluindo os partidários de Navalny, ameaçou boicotar o que eles veem como "pseudopesquisas" para as eleições de 18 de  março, todas com a garantia de levar Putin a um quarto mandato histórico.

Mas o porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, descartou a ameaça, argumentando que a popularidade de Putin como "o líder absoluto do Olimpo político" é suficientemente grande para evitar qualquer desafio.

Alexei Navalny, 41, foi detido três vezes em 2017 pela organização de manifestações não autorizadas, envolvendo algumas dezenas de milhares de participantes em toda a Rússia.

Declarado não elegível para uma condenação criminal que ele acreditava ter sido orquestrada pelo Kremlin, ele espera pesar a participação pedindo um boicote à eleição, que o presidente cessante Vladimir Putin deve ganhar, exceto uma enorme surpresa.