rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Holocausto Polônia Israel Ucrânia

Publicado em • Modificado em

Política para exaltar patriotismo polonês irrita Israel

media
O pri,eiro-ministro israelense, Benyamin Netanyahu, se irritou com a lei polonesa e acusou o país de negar o Holocausto. REUTERS/Tsafrir Abayov/Pool

Um projeto de lei projetado para defender a imagem da Polônia no exterior, que estabelece, em particular, multas e condições de prisão para quem se refere aos campos de extermínio nazistas como poloneses, em vez disso levou Israel e a Ucrânia a acusarem Varsóvia de negar o Holocausto e tentar reescrever a história.


Desde que chegam ao poder em 2015, os governistas nacionalistas da Polônia procuraram reviver o patriotismo através de uma política histórica que se centra em exaltar atos heroicos poloneses diante da Alemanha Nazista, do regime comunista, dos nacionalistas ucranianos ou do Exército Vermelho.

O partido conservador nacionalista Direito e Justiça (PiS) instaurou, desde que chegou ao poder, em outubro de 2015, uma "política histórica" para despertar o patriotismo polonês.

Esta política busca exaltar as ações de resistência à Alemanha nazista, ao regime comunista, aos nacionalistas ucranianos e ao Exército Vermelho, assim como aqueles poloneses que arriscaram suas vidas para salvar judeus.

Mas também busca impedir a difusão de versões da história que Varsóvia considera injustas ou ofensivas.

Até pouco tempo atrás, esta política não tinha despertado muitas críticas, só algumas trocas frias com a Ucrânia. O pedido de indenização pela guerra enviado à Alemanha tampouco teve repercussão. Berlim considera que o tema está saldado do ponto de vista jurídico.

Crimes nazistas

Mas a tensão aumentou na sexta-feira (26), com a adoção pelos deputados de uma lei sobre o extermínio dos judeus pelos nazistas que ocorreu em grande parte na Polônia, ocupada pela Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial.

Com este texto, os conservadores poloneses querem evitar que se atribuam "à nação ou ao Estado" os crimes cometidos pelos nazistas e impedir o uso da expressão "campos da morte poloneses" para se referir aos campos de extermínio instalados na Polônia.

Mas o governo israelense interpretou parte do texto como uma tentativa de negar a participação de alguns poloneses no extermínio dos judeus pelos nazistas, ou mesmo a possibilidade de processar sobreviventes do holocausto judeu que evoquem tais casos.

"Não toleraremos que se deforme a verdade e se reescreva a história ou que se negue o Holocausto", disse o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

No mesmo dia, o Ministério das Relações Exteriores ucraniano denunciou outro projeto de lei que permite estabelecer ações legais contra quem negar os crimes de nacionalistas ucranianos cometidos entre 1925 e 1950, inclusive dos que colaboraram com a Alemanha nazista.

A Ucrânia "se opõe categoricamente a uma nova tentativa de impôr um manejo unilateral de acontecimentos históricos", declarou o ministério em um comunicado, expressando sua "grande inquietação diante da intenção de se apresentar os ucranianos apenas como 'criminosos nacionalistas' e 'colaboradores do III Reich'".
   
Flexibilidade
   
O diretor do Instituto para a Memória Nacional da Ucrânia, Volodymyr Vyatrovych, criticou a lei polonesa em sua conta de Facebook.

É "perigosa não para a Ucrânia, mas para a Polônia", afirmou, estimando que "marca uma passagem importante para a limitação da liberdade de expressão e introdução da censura".

O presidente polonês Andrzej Duda buscou pôr fim à discussão mostrando flexibilidade. No domingo prometeu estudar as seções da lei que Israel critica.

Sua avaliação será apresentada "depois das conclusões do trabalho parlamentar e de uma análise cuidadosa da forma final deste ato", segundo um comunicado da presidência.

Para que entre em vigor, o texto ainda tem que ser votado pelo Senado e promulgado pelo presidente.

O primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, conversou por telefone no domingo à noite com seu homólogo israelense.

Segundo um comunicado do gabinete de Netanyahu, os dois chefes de governo chegaram a um acordo para "iniciar imediatamente um diálogo" e "tentar chegar a um entendimento sobre a lei" polonesa.

Mas a porta-voz do PiS, Beata Mazurek, adotou um tom menos conciliador. "Não mudaremos nenhuma disposição da lei (...). Estamos cansados das acusações contra a Polônia e os poloneses pelos crimes de alemães", escreveu em sua conta de Twitter.

Seis milhões de poloneses, entre eles três milhões de judeus, morreram durante a Segunda Guerra Mundial.

(Com informações da AFP)