rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Giuseppe Conte anuncia demissão do cargo de primeiro-ministro da Itália

Incêndio Tibete Templo Budismo

Publicado em • Modificado em

Incêndio atinge templo milenar no Tibete

media
Foto de arquivo: Tibetanos rezam em frente ao Templo de Jokhang antes do ano novo tibetano, em 28 de fevereiro de 2014. REUTERS/Jacky Chen

Um grande incêndio atingiu neste sábado (17) parte do Templo de Jokhang, um dos locais mais sagrados do budismo tibetano, em Lhasa. Por enquanto, a extensão dos danos ao Patrimônio Mundial da UNESCO é desconhecida.


O fogo começou no fim do dia, na parte leste do mosteiro, durante o festival do ano novo budista, o Losar, que marca o primeiro dia do calendário lunar do Tibete. O templo principal não foi atingido, mas a extensão do dano é desconhecida, especialmente porque usuários de uma rede social chinesa afirmam que vídeos e informações sobre o incidente estão sendo censurados.

No Twitter, no entanto, imagens do incêndio mostram grandes chamas nos telhados. Autoridades confirmaram que o fogo já está sob controle e que não há vítimas, mas não divulgaram outros detalhes. Não se sabe, tampouco, se o incêndio foi criminoso ou acidentental.

O mais importante templo budista tibetano

O incêndio tem graves consequências para a região, já que o Jokhang é "não apenas a mais antiga das estruturas de Lhasa, mas também o lugar mais importante do mundo para a religião budista tibetana", como explica Robbie Barnett, jornalista e professora, especialista do Tibete. O edifício, que é Património Mundial da UNESCO desde 2000, representa "o equivalente à Meca" para os muçulmanos.

O templo foi construído no século VII D.C. "por aquele que é considerado o primeiro rei budista do Tibete, com a ajuda de uma princesa nepali e uma princesa chinesa," ambas suas esposas ", que trouxeram, cada uma, uma estátua de Buda". Uma dessas estátuas está atualmente no templo.

É por isso que o templo é hoje "o mais importante monumento da cultura e da religião tibetana" e atrai, todos os anos, milhares de peregrinos de todo o mundo.

 

Templo de Jokhang, um dos locais mais sagrados do budismo tibetano, em Lhasa. Wikimedia Commons / onwardtibet