rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Assassinato Dinamarca Suécia

Publicado em • Modificado em

Inventor dinamarquês acusado de morte de jornalista sueca se diz inocente

media
Frente do tribunal, onde acontecerá o julgamento do dinamarquês Peter Madsen, acusado de assassinar e desmembrar a jornalista sueca Kim Wall. Copenhague, Dinamarca, em 8 de março de 2018. Mads Claus Rasmussen/Ritzau Scanpix/via REUTERS

O inventor dinamarquês Peter Madsen, acusado pela morte em agosto de 2017 da jornalista sueca Kim Wall, se declarou inocente do assassinato na abertura do julgamento, que começou nesta quinta-feira (8).


De óculos escuros e camiseta, Peter Madsen, que havia admitido à Justiça ter jogado o corpo da jornalista no mar, manteve-se em silêncio na audiência no tribunal de Copenhague, mas sua advogada confirmou à Corte que manterá sua linha de defesa: Kim Wall teria morrido acidentalmente dentro do submarino do inventor, de fabricação caseira.

O julgamento desta quinta-feira começou às 9h30, pelo horário local, na presença dos pais e amigos da vítima, além de inúmeros jornalistas dinamarqueses e estrangeiros.

O promotor Jakob Buch-Jepsen em seguida expôs os fatos macabros do caso. Ele deverá pedir a prisão perpétua para Peter Madsen, também é acusado de atentado à integridade de um cadáver e de agressão sexual.

Durante os 12 dias de audiências do julgamento, que vai até o dia 25 de abril, o tribunal tentará compreender a personalidade do acusado e as circunstâncias da tragédia.

Causa da morte não foi explicada

A jornalista independente sueca, de 30 anos, havia embarcado com o enigmático criador do "Nautilus" para fazer uma entrevista. Detido após o desaparecimento de Kim Wall, o inventor de 47 anos confessou durante um interrogatório que mutilou o corpo e o jogou no mar, mas negou o assassinato.

A autópsia não permitiu determinar as causas da morte de Kim Wall, cujo corpo decapitado, desmembrado e mutilado foi encontrado em vários pontos da baía do rio Køge, que separa a Dinamarca da Suécia. Madsen afirma que é inocente e alega que a jornalista sofreu um acidente a bordo.