rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Nepal Acidente Vítimas Avião

Publicado em • Modificado em

Acidente de avião no Nepal deixa pelo menos 40 mortos e 23 feridos

media
Avião que caiu no aeroporto de Nepa, nesta segunda-feira REUTERS/ Navesh Chitrakar

Pelo menos 40 pessoas morreram e 23 ficaram feridas na queda de um avião da companhia US-Bangla Airlines, do Bangladesh, que caiu com 71 pessoas a bordo pouco antes de sua aterrissagem no aeroporto de Katmandou.


Segundo um porta-voz das Forças Armadas, Gokul Bhandaree, as chances de que haja sobreviventes na tragédia são mínimas, já que o avião explodiu. Pouco depois do anúncio da catástrofe, as autoridades divulgaram que 20 pessoas haviam sido hospitalizadas, mas a informação foi corrigida logo em seguida.

Na verdade, nove passageiros chegaram a sobreviver ao choque, mas morreram em dois hospitais de Katmandou, segundo Manoj Neupane, o porta-voz da polícia nepalense. As equipes de resgate agora trabalham na busca os corpos das vítimas que ficaram presos na carcaça do avião, que caiu perto de um campo de futebol, ao lado do único aeroporto internacional do país.

A aeronave tinha 17 anos e saiu de Daca, capital de Bangladesh, transportando 67 passageiros e 4 tripulantes. Uma fumaça espessa preta tomou conta do aeroporto de Katmandu depois do acidente e o local foi interditado.

Ainda não há informações sobre o que teria provocado o acidente, mas de acordo com um comunicado das autoridades aeroportuárias, o piloto teria perdido o controle no momento da aterrissagem. Numa segunda tentativa de pousar, ele perdeu o controle e o avião caiu.

Inexperiência dos pilotos

A US Bangla Airlines é uma companhia privada, inaugurada em 2014, cujo primeiro voo internacional teve Katmandu como destino, em 2016. A empresa também realiza voos para outros países do sul e o leste da Asia, além do Oriente Médio.

Já o Nepal foi palco de diversos acidentes aéreos nos últimos anos, afetando o turismo no país. A maior parte das catástrofes aéreas no país se devem à inexperiência dos pilotos, além de problemas de infraestrutura das aeronaves e gestão dos aeroportos.