rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Reunião entre Trump e Kim Jong-Un pode afetar interesses da China

Depois de as duas Coreias darem sinais de aproximação, agora foi a vez do presidente americano, Donald Trump, aceitar o convite para conversar com o líder norte-coreano Kim Jong-un. No entanto, essa reunião, mesmo que traga esperanças de apaziguamento entre os dois países, preocupa o governo chinês.

Vivian Oswald, correspondente da RFI em Pequim

Os chineses estariam desconfortáveis com uma saída negociada apenas entre Estados Unidos e Coreia do Norte. Temem ficar fora do processo e não ter os seus interesses atendidos. O presidente Xi Jinping foi o primeiro a ligar para Trump na sexta-feira (9). A China já disse que é fundamental o comprometimento dos Estados Unidos para uma saída pacífica na península coreana.

As Coreias retomaram a comunicação depois de passarem dois anos com a linha direta que existia entre os dois países cortada. E, se essa reunião entre o presidente americano Donald Trump e o norte-coreano, Kim Jong-un, acontecer de fato, será um feito histórico.

Muitos países estão com esperanças renovadas nesta janela de oportunidade que se abriu, mas especialistas afirmam que ainda é cedo para comemorar, por mais que os sinais sejam positivos. Faltaria ainda que os dois lados demonstrassem alguma flexibilidade em suas posições.

Para a China, chegou o momento de testar a sinceridade das partes no que diz respeito às negociações de paz na região. Foi o que disse na quinta-feira (8) o ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, em uma entrevista a jornalistas chineses e estrangeiros.

Ele já tinha feito a mesma observação em janeiro deste ano, quando alertou para o fato de que, sempre que a situação na Coreia do Norte se acalmava, as perturbações reemergiam.

Na ocasião, ele disse que a comunidade internacional precisava ver claramente quem estava querendo fazer um acordo de paz para a questão nuclear na península e quem gerava tensão nas negociações. Cautelosos, os chineses veem uma luz no fim do túnel, mas ainda não a solução final para a questão.

A China ainda defende a sua proposta original de “suspensão por suspensão”, que vinha sendo rejeitada por todas as partes desde o início e que defende o fim das sanções e exercícios militares em troca da interrupção do programa nuclear. Pequim considera que esta é a receita correta para resolver o problema e garante que foi o fator responsável pela criação de condições básicas para o diálogo entre as Coreias neste momento.

O ministro destacou a importância que teve para a relação o fato de a Coreia do Norte não ter feitos novos testes durante os Jogos Olímpicos de Inverno e a suspensão dos exercícios militares conjuntos entre sul-coreanos e americanos no mesmo período.

Interesses próprios

A China investe nesta proposta também por interesses próprios. Não quer uma Coreia do Norte fortalecida por um arsenal nuclear desconhecido e tampouco quer que os Estados Unidos e Coreia do Sul construam bases militares ou façam exercícios militares conjuntos na sua vizinhança. Mas os chineses também defendem que a saída diplomática seja bilateral e multilateral.

O fato é que os chineses estariam desconfortáveis com uma saída negociada apenas entre Estados Unidos e Coreia do Norte. Temem ficar fora do processo e não ter os seus interesses atendidos. O presidente Xi Jinping foi o primeiro a ligar para Trump na sexta-feira (9). A China já disse que é fundamental o comprometimento dos Estados Unidos para uma saída pacífica na península coreana.

Em momento conturbado na Arábia Saudita, Brasil enfrenta Argentina em amistoso

Merkel perde maioria na Baviera e extrema direta entra no parlamento regional

Trump pressionado para agir contra a Arábia Saudita em caso de jornalista desaparecido

Turquia divulga imagens de agentes sauditas suspeitos da morte de jornalista

Favorito, Bolsonaro foca no Nordeste de Lula e Haddad aposta no 2° turno

Justiça americana vive momento decisivo na disputa entre conservadores e liberais

Tentando reaproximação com Merkel, Erdogan é recebido com protestos em Berlim

Protestos contra padre acusado de abuso sexual marcam visita do Papa aos países bálticos

Destituição do chefe da agência de inteligência alemã abala governo Merkel

70° Emmy é marcado por pedido de casamento e premiação de “The Marvelous Mrs. Maisel”