rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Educação Síria Escola Guerra Guta Oriental Bombardeio Crianças

Publicado em • Modificado em

O milagre das escolas escondidas na Síria: “Rejeitamos criar uma geração de analfabetos”, diz voluntária

media
Como ser criança em um país em guerra? Crianças deslocadas de Guta Oriental, em 13 de março de 2018.. REUTERS/Bassam Khabieh

Após sete anos de guerra na Síria, o conflito ainda é sangrento e devastador. Mais de 500 mil mortos e desaparecidos, milhões de refugiados espalhados por todo o mundo e milhões de pessoas deslocadas dentro da Síria. Que futuro há para crianças sírias no meio deste caos? Uma criança nascida no início da guerra em 2011 tem agora sete anos e nunca esteve na escola.


Sami Boukhelifa, correspondente da RFI no Oriente Médio

A guerra na Síria mata os homens, desfigura as cidades e desmonta a sociedade. Milhões de crianças sírias nunca conheceram a escola. Eles não aprenderam a ler ou a escrever. Uma geração sacrificada. "Nossos pais se recusam a ir à escola porque nossas escolas são bombardeadas. Muitas crianças morreram na escola. Nossos pais estão assustados", diz Mouna Karzi, de oito anos, de Maarat Al Nouman, na província de Idlib. "Mas hoje, com as escolas escondidas, a situação mudou e podemos voltar para a escola", diz a menina.

O testemunho é transmitido através do aplicativo WhatsApp, pelo diretor desta "escola escondida". Seu nome é Fadi El Maari, um ativista da oposição síria. "Sob as bombas, infelizmente, o conhecimento torna-se secundário e a prioridade é viver, sobreviver", lamenta aquele que luta pela escolaridade dos filhos sírios.

"Os filhos de Maarat Al Nouman, [em Idlib], perderam três anos de escolaridade em média. Aqui, todos os habitantes tiveram que sair da cidade e fugir por causa do combate e do bombardeio da aviação síria que deliberadamente atacou os civis ", diz Fadi Al Maari. "Quando a situação se acalmou um pouco, pudemos ir para casa, mas nossas escolas e hospitais foram bombardeados regularmente. As pessoas estavam com medo e se recusaram categoricamente a enviar seus filhos para a escola. Mas logo percebemos o perigo representado pela desescolarização infantil. Então, criamos escolas em áreas seguras de ataques aéreos sírios e russos ", diz orgulhosamente o jovem diretor da escola.

"Nossos filhos têm o direito de saber"

Fadi Al Maari e vários outros ativistas da oposição síria colocaram a mão no bolso e coletaram suas poucas economias. Eles também pedem ajuda ao voluntariado. Mulheres de sua comunidade em Maarat Al Nouman se voluntariaram e se tornaram professoras. Hoje eles cuidam de crianças entre seis e dezesseis anos de idade.

"Alguns de nós já estavam ensinando antes da guerra. Os outros são todos graduados", diz Thana, que acompanha pequenos grupos. "Idlib e Maarat Al Nouman são cidades atingidas pelo desastre. O regime não matou apenas civis aqui, sua aviação e a aviação russa destruíram nossas escolas. A escola é a vida, é o futuro dos nossos filhos ", prossegue a jovem, antes de continuar: "Rejeitamos a ideia de uma geração de analfabetos sírios, crianças analfabetas. É por isso que criamos essas escolas escondidas. Essas escolas estão abrigadas contra bombardeios, estão fora das cidades e as aulas estão no térreo. Nossos filhos têm o direito de saber que é o direito mais básico deles", completa.

Um pedido de ajuda

Determinado a educar todas as crianças em sua província, o ativista da oposição, Fadi Al Maari, está batendo em todas as portas. Mas é difícil levantar fundos com uma população síria empobrecida devastada por sete anos de guerra civil.

Então, Fadi Al Maari, se desloca para o exterior e multiplica as chamadas de ajuda. "A ajuda internacional que chega na Síria não deve limitar-se apenas a alimentos e remédios", diz ele. "Temos uma grande responsabilidade. Ter fundado esta escola alternativa significa que as crianças receberão uma educação. As organizações francesas e outras organizações humanitárias já estão ajudando enormemente o povo sírio, mas devemos entender que a educação é uma prioridade da mesma forma que o resto da ajuda humanitária ", insiste o diretor da escola.

"Estou enviando uma mensagem às organizações humanitárias francesas: ajude as crianças sírias a obter uma educação. Nas áreas liberadas, as crianças devem poder continuar a ir à escola. Além dos ataques aéreos do regime, a desascolarização é em si uma bomba-relógio ", conclui o ativista da oposição síria.