rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Arábia Saudita

Publicado em • Modificado em

Iêmen e Irã devem ser discutidos em último encontro de Macron e príncipe saudita em Paris

media
O príncipe herdeiro saudita Mohammed Ben Salmane. ©BANDAR AL-JALOUD/Saudi Royal Palace/AFP

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o príncipe saudita Mohammed ben Salman jantam juntos nesta terça-feira (10), em Paris. No cardápio do encontro, a Síria, Iêmen e Irã devem ser assuntos em pauta.


O jantar encerra uma visita oficial de três dias à França do homem mais poderoso do Reino da Arábia Saudita. Os dois líderes devem discutir, por exemplo, uma possível intervenção militar ocidental na Síria, depois das novas acusações de uso de armas químicas por parte de Bachar al-Assad, em Guta Oriental. Desde o início do conflito sírio, em 2011, Paris e Riad estão no time dos que querem a saída do presidente sírio.

O Iêmen, na ponta sudoeste da península Arábica, pode ser outro assunto a ser levantado por Macron. Há três anos, os sauditas lideram a coalizão que combate a rebelião xiita no Iêmen, com grandes perdas humanas. Paralelamente, cresce na França as críticas contra as vendas de armas francesas à Arábia Saudita e seus aliados.

O governo francês afirma que as exportações de armamentos para a região passam por controle rígido, mas por ser anfitrião, Macron pode preferir discutir apenas a situação das vítimas civis no Iêmen.

"100% com Trump"

O Irã é outro assunto obrigatório nas relações Paris-Riad. A França quer a manutenção do acordo nuclear de 2015, hoje contestado pelos Estados Unidos. “Sobre esse assunto, estamos 100% com Trump”, confidenciou à RFI um diplomata saudita do alto escalão.

A Arábia Saudita, grande potência sunita, tem como grande rival na região o Irã, grande potência xiita. As autoridades sauditas sonham em ver a República Islâmica perder sua influência no Oriente Médio.

Mas no palácio do Eliseu, Macron e ben Salman podem ainda falar do Líbano, do Catar, país com o qual a França decidiu manter laços estreitos, apesar do bloqueio imposto ao emirado produtor de gás por vários países da região, inclusive a Arábia Saudita.