rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Bombardeio na Síria foi demonstração de força "supercalibrada" de países ocidentais

Por Alfredo Valladão

O bombardeio de instalações de produção e armazenamento de armas químicas na Síria foi só uma maneira de restabelecer a credibilidade das principais potências ocidentais. Em 2012, Barack Obama decretou uma “linha vermelha” contra o regime de Bashar Al-Assad: os Estados Unidos atacariam se o ditador utilizasse armas químicas contra a sua população. 

Alguns meses depois, o presidente sírio matou 1,5 mil pessoas com gases de guerra e Obama ficou parado, abrindo as portas para a intervenção russa na Síria e para uma guerra de extermínio da população do país: 400 mil mortos, cinco milhões de refugiados, milhões de pessoas deslocadas e um país destruído. 

Os países ocidentais só se preocupavam em combater os terroristas do dito “grupo Estado Islâmico”, entregando o futuro da Síria para o regime de Damasco e seus aliados russos e iranianos. A falta de intervenção ocidental permitiu a intervenção massiva de Moscou e Teerã: os indiscriminados “tapetes de bombas” e as tropas estrangeiras contra cidades inteiras. 

Sem dúvida, Bashar Al-Assad prometeu desmantelar o estoque de armas químicas e não usar mais gazes de combate. Mas nos últimos tempos, voltou a bombardear bairros inteiros com cloro e agentes neurotóxicos. De novo, uma violação flagrante do direito internacional humanitário e da proibição universal das armas químicas proclamada desde o final da Primeira Guerra Mundial. 

Mas desta vez foi Donald Trump que decretou uma “linha vermelha”. Já em abril 2017, ele bombardeou uma base síria como resposta a um ataque químico perpetrado pelo regime de Damasco. A última ofensiva química de Bashar na periferia de Damasco foi a gota d’água. 

Para os Estados Unidos e as potências europeias, era de duas uma: ou mostravam que estavam seriamente dispostos a proibir o uso deste tipo de armas, ou então sinalizavam claramente que Bashar Al-Assad, os russos e os iranianos podiam fazer o que quisessem no Oriente Médio, à revelia de todos os princípios do direito internacional. Com o Conselho de Segurança paralisado por sucessivos vetos russos, não havia outro jeito senão agir sem o aval explícito da ONU.

Sob controle

A demonstração de força foi supercalibrada. Primeiro, para mostrar que havia um consenso político entre ocidentais e que na hora H, Moscou não pode contar com as tradicionais divisões no seio da Aliança Atlântica (até a Turquia apoiou a intervenção). 

Segundo, que a coordenação entre as forças armadas ocidentais e suas capacidades militares e tecnológicas continuam sendo muito superiores ao dispositivo russo (o Kremlin nem tentou usar as suas armas antimísseis modernas com receio de evidenciar a sua ineficácia). 

Terceiro: que ninguém está a fim de uma guerra entre grandes potências: os russos foram avisados com antecedência para poder proteger seus homens e material bélico. A ideia era só enviar uma mensagem: a de que Bashar Al Assad e Putin não podem fazer o que lhes der na telha.

Paz na Síria

Na verdade, já era hora. Com o fim do grupo Estado Islâmico, a questão hoje é como reconstruir e restabelecer a paz na Síria. Com os ocidentais praticamente ausentes, a Rússia vem tentando resolver o problema de maneira unilateral, cooptando o governo de Damasco, o Irã e, às vezes, a Turquia. Mas até agora foi um fiasco total. 

A única perspectiva, por enquanto, é mais guerra – e desta vez com a participação direta de potências estrangeiras (Rússia, Irã, Israel, Arábia Saudita ou Turquia). Nada mais explosivo para o mundo e, aliás, para a própria Rússia. Mas não vai haver paz sem que Putin, Khamenei e Bashar Al-Assad, aceitem negociar com toda a oposição síria, os curdos, os turcos, os países árabes, os europeus e os americanos. A ideia é voltar a turbinar o processo de paz multilateral sob a égide da ONU. 

Mas, para isso, as potências ocidentais têm que mostrar, a sério, determinação política e militar. E que Moscou e Teerã se conformem que o futuro da Síria não é só deles e terá de ser negociado com todos os outros protagonistas. Será?  
 

Opinião: Crise dos coletes amarelos pode paralisar a França por muito tempo

Opinião: reivindicação permanente de igualdade faz parte do DNA dos franceses

Movimento francês dos coletes amarelos revela onda de rejeição inédita no país

Política externa de governo Bolsonaro deve priorizar relações com países ricos

Opinião: Brasileiros viraram reféns de minorias extremistas que polarizaram a sociedade

América do Sul enfrenta desafio das migrações em massa, pela primeira vez em sua história

Só renovação salva empresas que atingiram “limite de crescimento”

Clima de guerra comercial prejudica países emergentes e em desenvolvimento

No jantar de Putin e Trump em Helsinque quem está no cardápio é a Europa