rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Encontro entre os imprevisíveis Trump e Kim merece prudência

Por Alfredo Valladão

Sir Winston Churchill, velho guerreiro, dizia que era melhor “mais queixo-queixo e menos guerra-guerra”. Há menos de um ano atrás, Donald Trump e Kim Jong-un trocavam insultos pessoais e o mundo inteiro pensava que estávamos à beira de um conflito nuclear.

Hoje, Washington e Pyongyang estão preparando uma cúpula entre os dois dirigentes e aplaudindo o encontro entre os líderes das duas Coreias para abrir caminho a um tratado de paz que ponha fim ao frágil armistício em vigor desde 1953.

A reviravolta é espetacular e inédita. Mas por enquanto, os únicos verdadeiramente entusiasmados – talvez por dever de ofício – são o gorducho norte-coreano, o lourão da Casa Branca e o novo presidente, mais pacifista, da Coreia do Sul.

É que Churchill também sabia que em matéria geopolítica, uma negociação também é uma partida de xadrez em que cada um quer vencer. E quando aparece o xeque-mate, há sempre a possibilidade de virar a mesa e apelar para o confronto físico.

Foco na economia

Prudência portanto, sobretudo com dois interlocutores tão imprevisíveis como Trump e Kim. O número um norte-coreano decidiu abrir a partida com um lance espetaculoso, anunciando a suspensão dos testes de ogivas nucleares e de mísseis intercontinentais que ameaçam os Estados Unidos. E acrescentando que agora, o objetivo era modernizar a “economia socialista” do país.

Os analistas mais otimistas acreditam que finalmente, o regime de Pyongyang está disposto a trocar o próprio desarmamento nuclear por um acordo de paz, garantias de segurança e o fim das pesadas sanções econômicas internacionais que estão estrangulando a já arruinada economia do país.

Só que não é bem assim. Os testes de bombas e mísseis nucleares não são mais indispensáveis: Kim Jong-un declarou que já possui armas e vetores atômicos suficientes para garantir uma devastadora capacidade de retaliação – e  portanto a sobrevida do regime.

Mandar destruir um centro de testes não é aceitar um desarmamento nuclear. Na verdade, com esse lance, Kim está simplesmente se apresentando como uma potência atômica militar de pleno direito, com capacidade de ameaçar vizinhos, e até cidades americanas. E reivindicando ser reconhecida como tal.

Japão e China

O Japão, cujo território está diretamente ameaçado pelos mísseis norte-coreanos de curto e médio alcance, foi o primeiro a mostrar abertamente o seu ceticismo. Se não houver verificações internacionais intrusivas, nada pode garantir que Pyongyang vai aceitar um desarmamento nuclear e não vai continuar modernizando o seu arsenal atômico, mesmo sem testes oficiais.

Tóquio também não está a fim de pagar o pato de um futuro acordo entre os Estados Unidos e a Coréia do Norte que proibiria só os mísseis intercontinentais, condenando o arquipélago nipônico à ameaça permanente dos foguetes de médio alcance.

A China, o único grande aliado e fiador do regime norte-coreano, também não está achando muita graça. Claro, Pequim está preocupado com a possibilidade de um conflito na península coreana com os americanos em primeira linha.

Quando Trump bateu na mesa, ameaçou e decretou sanções contra a Coreia do Norte, a China ajudou – um pouco – a bloquear a economia do vizinho e pressionou para que haja negociações. Só que uma Coreia do Norte nuclear, e em caso de acordo, recebendo vantagens econômicas da Coreia do Sul e dos Estados Unidos, seria um país muito mais independente de Pequim.

Sobretudo que Kim Jong-un não fala mais na retirada das tropas americanas da região. As duas Coreias pacificadas e abertas, garantidas por uma presença militar americana permanente é um pesadelo para as ambições de hegemonia regional de Xi Jinping.

Claro, o mais provável ainda é que tudo vai dar errado. Mas Trump precisa de um sucesso diplomático para ganhar as eleições legislativas de 2018, Kim quer sair do laço corrediço das sanções e o presidente sul-coreano viraria herói nacional. Mas Churchill já dizia: “os partidários do apaziguamento dão de comer a um crocodilo esperando ser os últimos a serem comidos”.

 

Política externa de governo Bolsonaro deve priorizar relações com países ricos

Opinião: Brasileiros viraram reféns de minorias extremistas que polarizaram a sociedade

América do Sul enfrenta desafio das migrações em massa, pela primeira vez em sua história

Só renovação salva empresas que atingiram “limite de crescimento”

Clima de guerra comercial prejudica países emergentes e em desenvolvimento

No jantar de Putin e Trump em Helsinque quem está no cardápio é a Europa