rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Precisamos saber de onde vêm nossas roupas", diz designer Isabelle Mesquita

Por Silvano Mendes

Essa terça-feira (24) marca os cinco anos da tragédia do Rana Plaza, prédio que abrigava ateliês de costura em Bangladesh e que desabou matando mais de mil pessoas. A catástrofe chamou a atenção para as condições de trabalho impostas por algumas grandes marcas de moda e provocou um debate sobre os hábitos de consumo, mas também de concepção e produção de roupas.

Desde o desabamento do prédio de oito andares, que deixou cerca de 2.500 feridos além das vítimas fatais, foi lançado o Fashion Revolution, evento que, todos os anos, no dia 24 de abril, tenta sensibilizar a população sobre a importância do consumo responsável. A iniciativa, que agora dura uma semana, é organizada em mais de 100 países e criou o #whomademyclothes (Quem fabrica minhas roupas, em português) para compartilhar as informações.

Em Paris, o Centre Culturel du Brésil se associou ao projeto e promove nesta terça-feira uma palestra com a designer de moda e pesquisadora brasileira Isabelle Mesquita. A carioca, que trabalha com o tema da moda sustentável desde 2012, acredita na dimensão pedagógica do evento. “Tem muita gente que ainda não está informada sobre esse assunto e o que aconteceu no Rana Plaza”, explica. “As pessoas têm que saber de onde vêm as nossas roupas e para onde elas vão depois que as utilizamos”, comenta a jovem.

Consumo consciente

Se Isabelle insiste nesse aspecto é porque a questão da traçabilidade do que consumimos foi uma das principais questões levantadas após o desabamento da Rana Plaza. Afinal, com a catástrofe, o mundo descobriu – ou tomou consciência – que muitas das marcas de fast fashion, como H&M ou Mango, além de nomes como Benetton, fabricavam seus produtos nos ateliês do prédio em Bangladesh, costurados por empregados submetidos a péssimas condições de trabalho. Desde o acidente, algumas dessas empresas lançaram programas especiais para aumentar o controle em suas cadeias de produção. 

Em seguida, Isabelle também organiza um workshop, no qual serão colocadas em prática as informações apresentadas. “Queremos incentivar as pessoas a reciclar suas roupas e dar mais vida a seus produtos mostrando como fazer isso em casa”.

Para a brasileira, uma das principais mudanças desde a catástrofe em Bangladesh foi a tomada de consciência dos designers. Ela ressalta que esse movimento tem sido cada vez mais seguido, inclusive no Brasil. “Tem uma galera nova no design que está trabalhando forte nesse tema”, celebra Isabelle.  

Ouça a entrevista completa clicando na foto acima ou assista o vídeo abaixo.

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris

“Cada vez mais o racismo brasileiro sai do armário”, diz Conceição Evaristo em Paris

Beatriz Seigner: Lula e Dilma ajudaram a mostrar outros sotaques do cinema no Brasil

Jornalista brasileiro Fernando Molica lança em Paris livro sobre racismo e violência policial

"O choro é talvez o gênero mais autenticamente brasileiro", diz especialista

Mulheres do Brasil em Paris cria comitê para apoiar brasileiras vítimas da violência na França

Descartar mandante do crime seria insulto, diz viúva de Marielle Franco

“Estamos revivendo a ditadura no Brasil”, diz documentarista de filme sobre rebelião contra colonização francesa em Madagascar

Primavera Literária de 2019 lança discussões sobre o Brasil e o futuro da literatura

“Muitas pessoas achavam que mulheres só eram capazes de pintar florzinhas ou eram as namoradas dos grafiteiros”, diz street artist Panmela Castro

Apresentador do Catfish Brasil, Ciro Sales diz ser consciente da responsabilidade de ter seguidores nas redes sociais

Associação Herança Brasileira ajuda desenvolvimento de crianças bilíngues em Paris

“Maconha pode ser auxílio e não algoz”, diz neurocirurgião à frente de portal sobre uso medicinal da cannabis no Brasil

“Postura do governo brasileiro sobre crise na Venezuela é a pior possível”, diz professor da UnB

"Qualquer um é melhor que Bolsonaro", diz José de Abreu, que se "autoproclamou" presidente do Brasil no Twitter

“Temos que colocar o ministro da Educação no eixo”, diz presidente da Ubes

“No Brasil, há uma tendência a encobrir escândalos sexuais”, diz membro do comitê que discute pedofilia na Igreja

"Ataques a povos indígenas é suicídio cultural”, diz geógrafo francês