rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Precisamos saber de onde vêm nossas roupas", diz designer Isabelle Mesquita

Por Silvano Mendes

Essa terça-feira (24) marca os cinco anos da tragédia do Rana Plaza, prédio que abrigava ateliês de costura em Bangladesh e que desabou matando mais de mil pessoas. A catástrofe chamou a atenção para as condições de trabalho impostas por algumas grandes marcas de moda e provocou um debate sobre os hábitos de consumo, mas também de concepção e produção de roupas.

Desde o desabamento do prédio de oito andares, que deixou cerca de 2.500 feridos além das vítimas fatais, foi lançado o Fashion Revolution, evento que, todos os anos, no dia 24 de abril, tenta sensibilizar a população sobre a importância do consumo responsável. A iniciativa, que agora dura uma semana, é organizada em mais de 100 países e criou o #whomademyclothes (Quem fabrica minhas roupas, em português) para compartilhar as informações.

Em Paris, o Centre Culturel du Brésil se associou ao projeto e promove nesta terça-feira uma palestra com a designer de moda e pesquisadora brasileira Isabelle Mesquita. A carioca, que trabalha com o tema da moda sustentável desde 2012, acredita na dimensão pedagógica do evento. “Tem muita gente que ainda não está informada sobre esse assunto e o que aconteceu no Rana Plaza”, explica. “As pessoas têm que saber de onde vêm as nossas roupas e para onde elas vão depois que as utilizamos”, comenta a jovem.

Consumo consciente

Se Isabelle insiste nesse aspecto é porque a questão da traçabilidade do que consumimos foi uma das principais questões levantadas após o desabamento da Rana Plaza. Afinal, com a catástrofe, o mundo descobriu – ou tomou consciência – que muitas das marcas de fast fashion, como H&M ou Mango, além de nomes como Benetton, fabricavam seus produtos nos ateliês do prédio em Bangladesh, costurados por empregados submetidos a péssimas condições de trabalho. Desde o acidente, algumas dessas empresas lançaram programas especiais para aumentar o controle em suas cadeias de produção. 

Em seguida, Isabelle também organiza um workshop, no qual serão colocadas em prática as informações apresentadas. “Queremos incentivar as pessoas a reciclar suas roupas e dar mais vida a seus produtos mostrando como fazer isso em casa”.

Para a brasileira, uma das principais mudanças desde a catástrofe em Bangladesh foi a tomada de consciência dos designers. Ela ressalta que esse movimento tem sido cada vez mais seguido, inclusive no Brasil. “Tem uma galera nova no design que está trabalhando forte nesse tema”, celebra Isabelle.  

Ouça a entrevista completa clicando na foto acima ou assista o vídeo abaixo.

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura

Vik Muniz: “Depois do modernismo, virou tabu falar de religião em arte”

Monólogo de ator brasileiro em Avignon resgata canções desconhecidas de Pasolini, entre erotismo e engajamento

Ricupero: Bolsonaro nomear filho embaixador nos EUA “é chocante e sem precedentes”

Rodrigo Ferreira: dos templos evangélicos no Brasil à cena lírica internacional

“O combate à corrupção no Brasil é uma mentira”, diz sociólogo Jessé Souza

Christiane Jatahy em Avignon: “Há no Brasil um pensamento ditatorial para calar a diferença”

“ONU está em alerta para acolher defensores de direitos humanos do Brasil”, diz deputada Renata Souza

“Lutamos tanto para conquistar um pouco de direitos humanos e a gente vai retirar isso?” questiona Marcelo D2 em entrevista em Paris

Acordo UE e Mercosul não é motivo para ufanismo em queda de preços, diz ex-embaixador Graça Lima

Tecnologias do semiárido brasileiro podem ajudar a alimentar imigrantes venezuelanos na Colômbia

"Governo de divisão social, oposto dos anteriores", diz autor de livro sobre Bolsonaro

Advogada do Consulado em Los Angeles analisa situação de brasileiros sem documentos nos EUA

"O ator precisa ter cartas na manga", diz Letícia Spiller sobre carreira de cantora

Brasil não é um dos países que mais usa agrotóxicos, isso é “balela”, diz ministra Tereza Cristina

“Bolsonarismo é uma articulação de radicalismo liberal com autoritarismo social”, diz professor da UERJ

Intolerância a valores progressistas pode impactar na publicidade, diz pesquisadora