rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Itália: Nome de Giuseppe Conte, do movimento antissistema 5 estrelas, é indicado para dirigir o governo
RFI CONVIDA
rss itunes

"Precisamos saber de onde vêm nossas roupas", diz designer Isabelle Mesquita

Por Silvano Mendes

Essa terça-feira (24) marca os cinco anos da tragédia do Rana Plaza, prédio que abrigava ateliês de costura em Bangladesh e que desabou matando mais de mil pessoas. A catástrofe chamou a atenção para as condições de trabalho impostas por algumas grandes marcas de moda e provocou um debate sobre os hábitos de consumo, mas também de concepção e produção de roupas.

Desde o desabamento do prédio de oito andares, que deixou cerca de 2.500 feridos além das vítimas fatais, foi lançado o Fashion Revolution, evento que, todos os anos, no dia 24 de abril, tenta sensibilizar a população sobre a importância do consumo responsável. A iniciativa, que agora dura uma semana, é organizada em mais de 100 países e criou o #whomademyclothes (Quem fabrica minhas roupas, em português) para compartilhar as informações.

Em Paris, o Centre Culturel du Brésil se associou ao projeto e promove nesta terça-feira uma palestra com a designer de moda e pesquisadora brasileira Isabelle Mesquita. A carioca, que trabalha com o tema da moda sustentável desde 2012, acredita na dimensão pedagógica do evento. “Tem muita gente que ainda não está informada sobre esse assunto e o que aconteceu no Rana Plaza”, explica. “As pessoas têm que saber de onde vêm as nossas roupas e para onde elas vão depois que as utilizamos”, comenta a jovem.

Consumo consciente

Se Isabelle insiste nesse aspecto é porque a questão da traçabilidade do que consumimos foi uma das principais questões levantadas após o desabamento da Rana Plaza. Afinal, com a catástrofe, o mundo descobriu – ou tomou consciência – que muitas das marcas de fast fashion, como H&M ou Mango, além de nomes como Benetton, fabricavam seus produtos nos ateliês do prédio em Bangladesh, costurados por empregados submetidos a péssimas condições de trabalho. Desde o acidente, algumas dessas empresas lançaram programas especiais para aumentar o controle em suas cadeias de produção. 

Em seguida, Isabelle também organiza um workshop, no qual serão colocadas em prática as informações apresentadas. “Queremos incentivar as pessoas a reciclar suas roupas e dar mais vida a seus produtos mostrando como fazer isso em casa”.

Para a brasileira, uma das principais mudanças desde a catástrofe em Bangladesh foi a tomada de consciência dos designers. Ela ressalta que esse movimento tem sido cada vez mais seguido, inclusive no Brasil. “Tem uma galera nova no design que está trabalhando forte nesse tema”, celebra Isabelle.  

Ouça a entrevista completa clicando na foto acima ou assista o vídeo abaixo.

“Maio de 68 foi uma explosão de criatividade, às vezes caótica”, diz Frédéric Pagès

“É um momento de celebração de mulheres em Cannes”, diz a atriz Mariana Ximenes

"Compromisso de ONG Líderes para a Paz é promover soluções pacíficas para conflitos", diz Antonio Patriota

“O Cinema Novo praticamente nasceu em Cannes, em 1964”, conta Cacá Diegues

Psicóloga lança em Paris livro sobre práticas medicinais e cultura de etnia da Amazônia

Regulamentação europeia para proteção de dados pessoais pode ter impacto no Brasil

“De 8.500 brasileiros adotados por franceses, metade pode ter sido de maneira ilegal”, estima especialista

Oxfam: aumento da desigualdade leva à instabilidade política e econômica no Brasil

Em turnê europeia, São Paulo Cia de Dança traz leitura do mundo em seus passos

Brasileira conta invasões à Sorbonne e à Casa do Brasil em Maio de 68

Voos diretos da Air France/KLM vão transformar Fortaleza em hub de conexões, diz governador

Federação sindical mundial lança site para valorizar trabalhadores dos serviços públicos

“Sistemas político e econômico do Brasil não se modernizaram como o judiciário”, diz economista francês

Todo mundo, inclusive o Brasil, está buscando "um Macron para chamar de seu"

MenEngage: “É impossível discutir emancipação da mulher na África sem falar da poligamia masculina”

Embaixada do Brasil em Paris promove encontro de professores de português na França