rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Precisamos saber de onde vêm nossas roupas", diz designer Isabelle Mesquita

Por Silvano Mendes

Essa terça-feira (24) marca os cinco anos da tragédia do Rana Plaza, prédio que abrigava ateliês de costura em Bangladesh e que desabou matando mais de mil pessoas. A catástrofe chamou a atenção para as condições de trabalho impostas por algumas grandes marcas de moda e provocou um debate sobre os hábitos de consumo, mas também de concepção e produção de roupas.

Desde o desabamento do prédio de oito andares, que deixou cerca de 2.500 feridos além das vítimas fatais, foi lançado o Fashion Revolution, evento que, todos os anos, no dia 24 de abril, tenta sensibilizar a população sobre a importância do consumo responsável. A iniciativa, que agora dura uma semana, é organizada em mais de 100 países e criou o #whomademyclothes (Quem fabrica minhas roupas, em português) para compartilhar as informações.

Em Paris, o Centre Culturel du Brésil se associou ao projeto e promove nesta terça-feira uma palestra com a designer de moda e pesquisadora brasileira Isabelle Mesquita. A carioca, que trabalha com o tema da moda sustentável desde 2012, acredita na dimensão pedagógica do evento. “Tem muita gente que ainda não está informada sobre esse assunto e o que aconteceu no Rana Plaza”, explica. “As pessoas têm que saber de onde vêm as nossas roupas e para onde elas vão depois que as utilizamos”, comenta a jovem.

Consumo consciente

Se Isabelle insiste nesse aspecto é porque a questão da traçabilidade do que consumimos foi uma das principais questões levantadas após o desabamento da Rana Plaza. Afinal, com a catástrofe, o mundo descobriu – ou tomou consciência – que muitas das marcas de fast fashion, como H&M ou Mango, além de nomes como Benetton, fabricavam seus produtos nos ateliês do prédio em Bangladesh, costurados por empregados submetidos a péssimas condições de trabalho. Desde o acidente, algumas dessas empresas lançaram programas especiais para aumentar o controle em suas cadeias de produção. 

Em seguida, Isabelle também organiza um workshop, no qual serão colocadas em prática as informações apresentadas. “Queremos incentivar as pessoas a reciclar suas roupas e dar mais vida a seus produtos mostrando como fazer isso em casa”.

Para a brasileira, uma das principais mudanças desde a catástrofe em Bangladesh foi a tomada de consciência dos designers. Ela ressalta que esse movimento tem sido cada vez mais seguido, inclusive no Brasil. “Tem uma galera nova no design que está trabalhando forte nesse tema”, celebra Isabelle.  

Ouça a entrevista completa clicando na foto acima ou assista o vídeo abaixo.

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político

Sergio Amadeu: combate à desinformação na rede é importante mas não pode virar censura

“Nosso trabalho é mais valorizado fora do Brasil”, diz Sandra Veloso, do Balé Folclórico de Fortaleza

Ilustradora Suppa e Miguel Falabella criam canal no Youtube para crianças de todas as idades

A carne é um objeto de sedução e excitação, diz Júlio Bressane em Locarno

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

"Rever acordos de paz com as FARC é um risco para novo presidente da Colômbia”, diz historiador

Em Arles, Thyago Nogueira, do IMS, divulga fotografia brasileira contemporânea

Cineasta franco-suíço apresenta filme sobre a busca por entrevista com João Gilberto

Documentário brasileiro “Zaatari” revela força e poesia de refugiados sírios na Jordânia

Crise ameaça renovação da classe científica brasileira, diz Marcelo Viana, organizador do Congresso Internacional de Matemáticos

Revista acadêmica francesa lança número especial sobre crise política no Brasil

"Existe um índio dentro de cada brasileiro", diz Ernesto Neto, em cartaz com a escultura monumental GaiaMotherTree na Suíça

Turistas brasileiros cada vez mais interessados em história da arte em Paris

“Riqueza infinita”: apresentador Gilles Bourgarel promove música brasileira há 14 anos na Françar

“Discussão sobre identidade de gênero no teatro é uma tendência mundial”, diz professora da USP que acompanha o Festival de Avignon

Cineasta Lúcia Verissimo defende a importância da preservação da memória de um país