rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Megan, esposa do príncipe Harry, anuncia gravidez
RFI CONVIDA
rss itunes

"Precisamos saber de onde vêm nossas roupas", diz designer Isabelle Mesquita

Por Silvano Mendes

Essa terça-feira (24) marca os cinco anos da tragédia do Rana Plaza, prédio que abrigava ateliês de costura em Bangladesh e que desabou matando mais de mil pessoas. A catástrofe chamou a atenção para as condições de trabalho impostas por algumas grandes marcas de moda e provocou um debate sobre os hábitos de consumo, mas também de concepção e produção de roupas.

Desde o desabamento do prédio de oito andares, que deixou cerca de 2.500 feridos além das vítimas fatais, foi lançado o Fashion Revolution, evento que, todos os anos, no dia 24 de abril, tenta sensibilizar a população sobre a importância do consumo responsável. A iniciativa, que agora dura uma semana, é organizada em mais de 100 países e criou o #whomademyclothes (Quem fabrica minhas roupas, em português) para compartilhar as informações.

Em Paris, o Centre Culturel du Brésil se associou ao projeto e promove nesta terça-feira uma palestra com a designer de moda e pesquisadora brasileira Isabelle Mesquita. A carioca, que trabalha com o tema da moda sustentável desde 2012, acredita na dimensão pedagógica do evento. “Tem muita gente que ainda não está informada sobre esse assunto e o que aconteceu no Rana Plaza”, explica. “As pessoas têm que saber de onde vêm as nossas roupas e para onde elas vão depois que as utilizamos”, comenta a jovem.

Consumo consciente

Se Isabelle insiste nesse aspecto é porque a questão da traçabilidade do que consumimos foi uma das principais questões levantadas após o desabamento da Rana Plaza. Afinal, com a catástrofe, o mundo descobriu – ou tomou consciência – que muitas das marcas de fast fashion, como H&M ou Mango, além de nomes como Benetton, fabricavam seus produtos nos ateliês do prédio em Bangladesh, costurados por empregados submetidos a péssimas condições de trabalho. Desde o acidente, algumas dessas empresas lançaram programas especiais para aumentar o controle em suas cadeias de produção. 

Em seguida, Isabelle também organiza um workshop, no qual serão colocadas em prática as informações apresentadas. “Queremos incentivar as pessoas a reciclar suas roupas e dar mais vida a seus produtos mostrando como fazer isso em casa”.

Para a brasileira, uma das principais mudanças desde a catástrofe em Bangladesh foi a tomada de consciência dos designers. Ela ressalta que esse movimento tem sido cada vez mais seguido, inclusive no Brasil. “Tem uma galera nova no design que está trabalhando forte nesse tema”, celebra Isabelle.  

Ouça a entrevista completa clicando na foto acima ou assista o vídeo abaixo.

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer