rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Diminuição da censura faz vida cultural renascer em Bagdá

Por Silvano Mendes

A revista M do jornal francês Le Monde traz em sua edição desta semana uma longa reportagem sobre as mudanças recentes registradas em Bagdá. O texto relata como a capital iraquiana tem se transformado aos poucos, com alguns lugares culturais abertos recentemente, aproveitando uma redução da censura da parte do governo, muito mais preocupado com a luta contra o grupo Estado Islâmico (EI).

A expansão do grupo terrorista em um terço do território iraquiano, em junho de 2014, acabou tendo um resultado inesperado, explica a revista. “Como as milícias xiitas foram enviadas ao front e os censores estavam ocupados com outros assuntos mais urgentes, dezenas de iniciativas culturais nasceram e se desenvolveram”, relata o texto, que lista a presença de cafés literários, editoras, escolas de cinema e até casas de show em Bagdá.

“A rua Karrada-Dakhil é uma das vitrines desse renascimento”, conta a reportagem, que descreve a animação nessa longa avenida até altas horas, graças a pequenas lojas de roupas, casas de câmbio, restaurante e camelôs, mas também cafés culturais, como o Gawa wa-Kitab. Mais recente inauguração dessa nova fase do bairro, esse café-livraria é um dos pontos de encontro preferidos dos estudantes e jornalistas da capital iraquiana. “Entre as mesas, rapazes conversam com os olhos grudados em seus smartphones, alguns deles acompanhados por moças, muitas vezes sem o véu islâmico cobrindo a cabeça”, descreve o texto.

Em alguns momentos a reportagem é construída com o tom de guia de turismo, apresentando as regiões mais badaladas da cidade. É o exemplo da rua Moutanabi, que leva o nome de um dos mais famosos poetas árabes. “A via é fechada para a circulação de veículos nas manhãs de sexta-feira e se torna uma grande feira de livros e bibelôs, além de acolher shows musicais e leituras de poesia às margens do rio Tigre”, descreve.

Entrevistado pela revista, o dono de uma livraria em um dos bairros da moda diz que as vendas não param de crescer, o que é um bom sinal. “Existe uma margem de liberdade limitada, mas ela existe”, festeja. Segundo ele, “não há mais censura governamental, nem repressão como durante a época de Saddam Hussein, mas a influência das milícias armadas e dos partidos islamistas ainda suscita preocupação”, pondera.

O texto também lembra que algumas limitações persistem. O dono de um dos cafés, que organiza vários shows, explica que o local não serve bebidas alcoólicas e que as bandas se apresentam relativamente cedo, entre 18h e 20h. Segundo ele, o objetivo é atrair uma clientela composta por famílias, mas também por mulheres sozinhas, que raramente saem de casa à noite no país.

De acordo com o texto, essa nova classe cultural começa a ter uma certa influência na população, o que não deixou de ser notado pelos políticos, principalmente com a aproximação da eleição legislativa de 12 de maio. Prova disso, os programas dos candidatos este ano fazem cada vez mais promessas visando os jovens eleitores e falam cada vez menos de religião, constata a reportagem da revista M.

Exposição com fotos inéditas dos bastidores da Nouvelle Vague é destaque na imprensa francesa

“Cães dos poderosos”: animais de estimação de presidentes franceses são capa da revista do Le Monde

Projeto de extração de ouro na Guiana Francesa vira "mina da discórdia"

Filme sobre Edir Macedo ilustra poder dos evangélicos no Brasil, diz Le Monde

Juiz uzbeque que criou confusão no Brasil é recordista de arbitragem na Copa

Finlândia tenta resolver crise de moradia oferecendo casa para os sem-teto

Nobel de Economia francês adverte contra discursos ultraconservadores distantes do interesse coletivo

Revista lembra laços com o Brasil de vítima de crime antissemita na França

Revista detalha prestação de contas confusa na campanha presidencial de Mélenchon

Jornalista e legista franceses desvendam mistérios sobre a morte de Hitler